Poderia começar este texto questionando este símbolo artificial e pouco verdadeiro que é o do ano novo, falar das nossas celebrações vãs, analisar nossas promessas vazias. Não é, porém, o que pensei em fazer. Passei o dia pensando no que há de valoroso nessa simbologia, sabe, coisas de quem não tem muito o que fazer no último dia do ano e prefere olhar-se do que arrumar as coisas velhas no armário.

Esta passagem de ano, o que ela representa de bom para mim? Uma nova etapa, novas oportunidades, um novo começar? – Não. Isso nós temos todos os dias! Encontros e escolhas não são privilégios do primeiro dia do ano. Um repensar, relembrar, pesar, julgar o que passou? – Absolutamente. De julgamentos já me bastam os alheios. Um momento para fazer novos planos? – Se admitisse isso, teria que admitir também que deixei de fazê-los todas as noites antes de dormir. Qual é então o valor que sustenta em mim toda essa bobagem de réveillon? Eis a pergunta que me afligiu durante o dia.

Lembrei-me do sonho que tive e obtive uma resposta, bastante particular e transitória como devem ser todas elas. Na penúltima noite do ano, sonhei com algo que eu quis durante os derradeiros meses dele e me peguei com o mesmo desejo, aquela sempre nova, recorrente, incessante vontade com a qual convivi nos últimos tempos. Desse sonho, conclui que continuava querendo para o dia de amanhã aquilo que quis no dia de ontem. Hoje, um dia de ano novo, de passagem, de mudança, representava para mim apenas a afirmação daquilo que eu fiz e daquilo que eu quis. Nenhum “tenho que”, nenhuma censura, nenhuma recomendação, nenhum demônio onírico me caçando pelas más escolhas, mas a bela e reconfortante sensação de estar no caminho certo. Guardem estas palavras, se quiserem guardar algo deste ano: não se pode contar a felicidade que há em afirmar uma afirmação!

5L7lR - Imgur

Escrito por Rafael Lauro

Sou formado pelos livros que li, pelas músicas que toquei, pelos filmes que vi, pelas obras que observei, pelos acontecimentos que presenciei e pelos relacionamentos que tive. Sou uma obra aberta.

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s