Adoro o tom do Sol nos fins de semana, ares de acorde maior. Camus estava certo… é mais fácil ser feliz ao sol. Diógenes se sentou na escadaria das praças de Atenas e bronzeou seu corpo cínico, Nietzsche caminhou todas as manhãs pelos picos de Sils-Maria até encontrar o retorno do eterno. Mas o que sabem os filósofos sobre as tardes de domingo? O que sabem os filósofos sobre encontros com velhos amigos? Descartes fechado em seu quarto, afundado na neve, não tinha como acertar. Se estivesse na praia, teria dito, “caminho, logo existo” ou quem sabe “cogito, ergo ando”, e teria ido buscar um coco.

Deus não foi ao cinema pegar a sessão do meio dia…. nem andou ao acaso por ruas que não conhecia. Eu ando, ando, ando… o tempo fica na esquina em que cruzei com um olhar sedutor. Em um domingo quente, não há recompensas, apenas ofertas. Me sinto capaz de amar de graça, minha camiseta laranja não me deixa mentir. Quero abraçar a existência como quem fuma seu primeiro cigarro matinal, lenta e saborosamente. Me sinto o líder de uma alcateia de afetos, pastem ovelhinhas, pastem e postem em paz, hoje tirei o dia para descansar. Serei no futuro, quem sabe, um especialista em viver: não engolir a seco, não ruminar pensamentos, não dar com a língua por entre os dentes.

Valter Machado, Projeto Trecho 2.8
Valter Machado, Projeto Trecho 2.8

Quero me deslocar silenciosamente, como um assassino furtivo. Andar na ponta dos pés e dançar leve, sem o peso cotidiano de uma rotina de presidiário. Este instante é uma amostra grátis da eternidade. Não me notem, sou parte íntima do universo ao redor! Me joguem ao mar, alimentem os tubarões com minhas tripas, mas não me digam quem sou nem onde estou. Andar sem ser percebido é o trunfo de quem demanda inutilmente o reconhecimento de quem não vale nada.

Não importa que sorrisos falsos sejam postados no Facebook. Pouco percebo as fotos cuidadosamente tiradas no zoom de uma comida filtrada. Onde estão as luzes eternizadas em um quadro sincero? Onde estão as pessoas ingênuas? Foram todas enganadas, pegaram papéis de coadjuvantes em teatros escuros, engasgaram de tanto comer e não mastigar, morreram sem perceber enquanto fingiam sorrir. Não, mas não todas! Há lugar para a existência alegre? Sim! Vejo o branco explodir em sete cores quando ruas viram calçadas e o olhar se torna mais aguçado. O Sol brilha, o dia sorri, a criança dirige seu triciclo, o cachorro abana o rabo, um pássaro faz seu ninho cuidadosamente e eu quero apenas andar.

Valter Machado, Projeto Trecho 2.8
Valter Machado, Projeto Trecho 2.8

Não cometi nenhum crime, sou inocente. Enquanto caminho convicto, sinto que penso melhor, e vou gostando de pensar melhor e ver que o calor e a vida podem ser mais que lágrimas secando no rosto. Há escadas para subir, ladeiras para rolar, cidades para conquistar, Troias para invadir na calada da noite. Quero cantar um grito de vitória enquanto vejo meus templos queimarem. Quero vencer meus inimigos com uma piada suja! Quero cuspir no roteiro escrito por Laio e dirigido por Jocasta.

Não importa a língua que falamos, nossos exércitos são estrangeiros e compatriotas ao mesmo tempo. Negar a contradição me cheira a limitação. Por isso, se for para maldizer, prefiro passar ao largo, prefiro andar. Se me calo e caminho em silêncio, não é porque quero conversar com meus fantasmas (sou ateu), é porque evito tudo que se ponha no caminho da minha liberdade. Se for para falar, quero se seja com os vivos. Os vivos! Se for andar, será no meio de gente. Fiat Lux!

Valter Machado, Projeto Trecho 2.8
Valter Machado, Projeto Trecho 2.8

Todas as fotos foram tiradas por Valter Machado, participante do Projeto Trecho 2.8 – criação e pesquisa em fotografia (http://www.trecho2ponto8.org)

Escrito por Rafael Trindade

Artesão de mim, habito a superfície da pele, atento para o que entra e sai.

7 comentários

  1. Ao ler o texto, parece que vou eu percorrendo a cidade… E lembro de Walter Benjamin que dizia que pra se conhecer uma cidade é preciso se perder nela. Me perdi e me reencontrei no texto. E não só no texto, nas lindas fotos também. Parabéns aos dois por me trazer pra mim. : )

    Curtido por 2 pessoas

  2. … e após caminhar, andar e andar, quero dançar (como dançou Zaratustra) com o relicário dos passos colhidos em uma tarde de sol.

    Lindo texto! Parabéns 🙂

    Curtir

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s