Costure a vida
Carinhosamente, com mãos de afeto
Junte os lado s esgarçados e sofridos
Dobrando as pontas gastas
Expondo o lado novo.

Dói o furo no dedo
Feito com a agulha da costura.
Dói também a alma apertada no corpo velho.

Borde o tecido velho
Com linhas coloridas,
Com desenhos bonitos.

E sinta o cheiro novo
Da vida que brota,
Suplantando a dor do furo
Que sangrava, sem manchar
O tecido.

um comentário

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s