O que é Niilismo?

R$150,00

Curso online (como funciona?)

1a – A Genealogia, o Trágico e a Vontade
1b – Platão e o Niilismo Negativo
2a – Kant e o Niilismo Reativo
2b – Crítica, Dinamismo e Verdade
3a – Schopenhauer e o Niilismo Passivo
3b – Devir-Reativo das Forças
4a – Nietzsche e o Niilismo Ativo
4b – Personagens da Afirmação

Terças feiras, 6, 13, 20 27 de Abril
A partir das 19h pelo Zoom
Carga horária: 8 horas
Emitimos certificado simples.

Quer um desconto? Torne-se um assinante comprando: Seja um Assinante! – Insensato ou Seja um Assinante! – Insubmisso!

O que eu narro é a história dos próximos dois séculos […] descrevo aquilo que vem: a ascensão do niilismo. Posso descrevê-lo porque aqui se passa algo necessário – os sinais disso estão por toda parte; faltam apenas os olhos para tais sinais. Aqui, não louvo, nem censuro, que ela venha; creio numa das maiores crises, num instante da mais profunda autorreflexão do homem”

– Nietzsche, Fragmentos Póstumos 1887

O niilismo é um de nossos maiores desafios. Mas afinal, como enfrentá-lo sem encará-lo de frente? Sim, muitos fugiram, mas nós precisamos ter coragem o bastante para fazer isso. Foi exatamente esta a atitude de Nietzsche e Deleuze. O primeiro como fisiopsicólogo, capaz de ver os sintomas do niilismo à nossa volta, o segundo como sistematizador da obra e dos conceitos nietzschianos. O filósofo alemão foi o primeiro a mergulhar na doença de seu tempo e fazer um diagnóstico preciso: “o homem prefere ainda querer o nada a nada querer”. Já Deleuze é capaz de sistematizar o niilismo em um plano de imanência e mostrar as várias maneiras com que seus personagens criam conceitos. Nesse curso, partimos da leitura de Deleuze no livro “Nietzsche e a Filosofia” e passamos pelos seguintes temas:

  • Niilismo Negativo: Nega-se o mundo em nome de outros valores, afirmando Deus, uma utopia, ou o que quer que seja. Divisão de dois mundos, um debaixo: sensível, mutável, corporal, imperfeito, temporal; outro supra-sensível: imutável, ordenado, perfeito, atemporal. Platão cria o conceito de Ideia;
  • Niilismo Reativo: Sim, matamos Deus e ele mereceu, mas agora o homem é sagrado. Viva os direitos do homem! De que adianta? Enfim, ainda somos religiosos, o homem matou a verdade fora deste mundo, mas ainda acredita numa verdade metafísica neste mundo, uma realidade melhor por vir. Kant cria o conceito de Razão;
  • Niilismo Passivo: O homem cada vez mais doente de si mesmo tem cada vez menos capacidade de afirmar-se. O mar secou! A chama se apagou! Surge uma escuridão sem fim. Mortos-vivos não encontram vida dentro de si, mas ainda se movem… perdidos… entorpecidos… seguindo lentamente para o abismo. Schopenhauer cria o conceito de Vontade;
  • Niilismo Ativo: Se destruir ativamente! Destruir o niilismo dentro de si! Como podemos acelerar a roda do devir? Negando as forças de negação. Afirmando as forças de afirmação! Nietzsche é o filósofo da morte do homem! Para que? O que vem depois do homem moderno? Para criar novos valores! Nietzsche cria o conceito de Vontade de Potência.

Nosso curso tem como objetivo encontrar explicações claras, diagnósticos preciso e saídas criativas para o niilismo. Seguir seu percurso, olhar fundo para o abismo, mergulhar em suas águas turvas sem nos afogar. Mas estamos em grande companhia nesta empreitada, como aliados nós temos Nietzsche e Deleuze. Principalmente na inovadora interpretação deste último para o filósofo alemão. É importante atualizar os conceitos e torná-los novamente úteis dentro de nosso modo de vida, faremos isso passo a passo.

Se o Niilismo é um fato, se não há como olhar para o outro lado, então faremos isso com a maior rigor e seriedade possíveis. Aprender a filosofar à sombra do niilismo, viver sem temê-lo. Somente dentro destas condições seremos capazes de encontrar novos modos de vida, potentes, criadores!

Dúvidas sobre o funcionamento do curso? Veja as perguntas frequentes!