Montaigne – A Escrita de Si

R$150,00

Curso ao vivo online (como funciona?)

11/05
Ensaios: “Sou eu mesmo a matéria deste livro”
Filosofia: “Sou filósofo por acaso e sem premeditação”

18/05
Ceticismo: “Que sei eu?”
Natureza: “A qualidade mais universal é a diversidade”

25/05
Amizade: “Porque era ele, porque era eu”
Morte: “Que a morte nos encontre a plantar as nossas couves”

01/06
Vida: “Meu ofício, minha arte, é viver”
Escrita: “Cada um está em sua obra”

Terças feiras, a partir das 19h pelo Zoom
Aulas gravadas para ver depois

Carga horária: 8 horas
Emitimos certificado simples.

Quer um desconto? Torne-se um assinante comprando: Seja um Assinante! – Insensato ou Seja um Assinante! – Insubmisso!

“Minhas ideias são o que as fez a natureza. […] A que doutrina se ligam? Só o soube depois de as expor e julgar do resultado: pertenço a uma nova espécie, sou um filósofo que se tornou filósofo por acaso e sem premeditação”

– Montaigne, Ensaios, II, 12

Michel de Montaigne (1533-1592) é um dos pensadores mais peculiares da história da filosofia. Escreveu um só e grande livro ao longo de vinte anos, os Ensaios, no qual se propôs a retratar a si mesmo. Na primeira das mais de mil páginas, ele adverte o leitor: “sou eu mesmo a matéria deste livro, o que será talvez razão suficiente para que não empregues teus lazeres em assunto tão fútil e de tão mínima importância”

Apesar da curiosa advertência de Montaigne, os Ensaios se tornaram famosos no mesmo ano em que foram publicados e continuam sendo muito lidos até hoje. Há leitores-filósofos (Descartes, Pascal, Merleau-Ponty), há leitores-literários (Flaubert, Virginia Woolf, André Gide) e há, claro, todo tipo de leitores curiosos com a vida deste excêntrico cavaleiro da nobreza renascentista do século XVI: um cético singular, um cristão controverso, um filósofo por acaso, um amante desinibido, um leitor diletante, um escritor vivente. 

Montaigne é um pensador surpreendente. No pacto com o leitor, sua única promessa é a de mostrar-se tal como é. Ao cumpri-la, mostra-se sempre em movimento, experimentando-se no papel. O sentido mais próprio dos Ensaios é justamente este, ensaiar a si mesmo, congregando unidade e multiplicidade, identidade e alteridade, em seu desenvolvimento. 

O objetivo deste curso é introduzir à filosofia de Montaigne a partir da relação formadora que há entre pensar e escrever. Passaremos por alguns dos temas mais famosos dos ensaios tentando mostrar como a escrita de si implica o pensamento em uma vida que se pretende examinada e melhor vivida.

O fato deste homem ter escrito aumentou verdadeiramente a alegria de viver neste planeta”

– Nietzsche, Considerações Extemporâneas

Bibliografia

MONTAIGNE. Ensaios, Edição Integral, Ed.34
BAKEWELL, S. Montaigne – Como viver?, Editora Objetiva
COMPAGNON, A. Uma temporada com Montaigne, Ed. Wmf Martins Fontes
STAROBINSKI, J. Montaigne em Movimento, Companhia das Letras
AZAR FILHO, C.M. A filosofia de Montaigne: Introdução ao Pensamento Renascentista
EVA, L. A Figura do Filósofo, Ed. Loyola

Dúvidas sobre o funcionamento do curso? Veja as perguntas frequentes!