Skip to main content

Carrinho

Close Cart

O verbo ser, eis a decadência da filosofia! Opor o ser ao devir é nossa eterna maldição. Será que um dia escaparemos? Difícil responder… Afinal, estamos preocupados demais com quem somos. Fomos engolidos pela mensagem do Oráculo de Delfos: conhece a ti mesmo. Será que não conseguiremos escapar destas formatações? Será que não podemos fugir destas definições?

– Amjad Rasmi

A Ditadura da Identidade é o fetiche pelo nome, é ânsia por definição, o feitiço da forma. Não sabemos mais conviver com o desconhecido, tanto em nós como no outro. O mundo se tornou uma sala de interrogatório: qual seu nome? Número do RG? Quantos anos? Solteiro ou casado? Qual sua orientação sexual? Qual seu partido político? E pior, não sabemos dizer não, queremos apenas em responder tudo certo para sermos aceitos. Uma ficha nos define, nosso perfil de Facebook é nosso novo templo.

Mas quanto mais nos nomeamos, mais nos perdemos de nós mesmos! O ser é inefável, inexprimível. Cada palavra que utilizamos para nos comunicar apenas nos torna mais comuns. Quem fala consente, quem cala, cria. Carregamos como camelos todos os nomes em nossas costas. Somos tantas coisas que não temos tempo para apenas estar. O que há de mais essencial em nós se perde na gramática que de uma identidade, um número, com o qual nos identificam.

A identidade é uma função do poder: as “estruturas” do eu, a “forma” do indivíduo, mas a unidade é sempre simulada, sempre um corte, uma prisão. A vida existe de modo plural, não em um formato definido. Ela é uma reta que passa por infinitos pontos entre A e B, e faz infinitas conexões de um lugar a outro. Somos, como dizia Hume, um feixe de percepções! Mas insistem em nos tornar átomos sociais, comportados e definidos!

Não sabemos mais tirar a máscara que pedimos para nos darem. Nos irritamos quando erram nosso nome: “sou Fulano! Não Sicrano!” Mas por que não Sicrano? Ele também é legal, não podemos ser ele por alguns segundos? É mentira? E quando a mentira passou a ser menos interessante que a verdade? O Ego é efeito de submissão, existe uma pluralidade em cada um de nós que não podemos submeter. Não é possível acabar com a potência em nós sem pagar um preço muito alto na vida. Mas parece que não há lugar para a vida intensiva em nossa sociedade: precisamos ser responsáveis, sérios, frágeis, “humanistas”. Isto quer dizer, faça seu trabalho, mande seu filho para a escola e não reclame do trânsito.

As formas são extremamente necessárias em nossa sociedade: Homem, Branco, Heterossexual, meia-idade, com carro, conta bancária, barba por fazer, terno e gravata. Mulher, jovem, sedutora mas não vulgar, mãe, esposa, cabelo comprido, amorosa, atenciosa, fiel. As formas são mentiras inalcançáveis! Cada passo em sua direção é uma morte! A ideia não se move, não existe. 

Vivemos constantemente sob tutela, fazemos falsas escolhas mentirosamente oferecidas. Nos ensinaram a dizer sim e não, a escolher, a excluir, a restringir. Ora, porque não podemos escolher rock E bossa nova? Não há todo um universo infinito entre um e outro que podemos experimentar? Por que escolher entre ser homem ou mulher? Só exclui quem ainda não aprendeu a criar. Só pede opinião quem não inventou seu modo de existir. Vivemos em falsas oposições, perdemos toda a cromática que existe entre um e outro.

– Amjad Rasmi

Nos seguramos à nossa identidade com unhas e dentes, esta máscara que vestimos já está colada. E assim tememos o que há de mais verdadeiro em nós, que foge à toda racionalidade, toda unidade. A única coisa eterna em nós é a potência. Mas potência é vontade de diferir, mudar, trocar de pele. Matamos o que há de eterno em nós para apostar na mentira da identidade. A vontade de conservação em nós é diretamente oposta à vontade de criação. Mas alguns acham que o investimento na forma poderá salvar o homem, coitados, alguns acham que podem parar o tempo. Não dá pra parar o tempo, não dá pra descer do mundo, nós temos que nos efetuar, tudo em nós se usa, gasta, queima, e no fim nada se conserva. É impossível que cada momento não seja absolutamente inédito, e por isso é impossível que não sejamos absolutamente diferentes a cada momento.

A diferença em nós se submete à ditadura da identidade na qual nos escondemos. Nossa identidade nos protege, nos deixa aconchegantes, preguiçosos, estúpidos, mortos. A diferença toma outro caminho, não pede reconhecimento, é anômala, quer apenas efetuar seus encontros e ir para além de si. Não há senhor, nem escravo, nem espelho, nem reconhecimento, tão pouco dialética: há apenas uma vontade de criar, inventar, produzir, diferir e experienciar a transformação de si que acontece a cada encontro.

Foucault disse, “não me pergunte quem sou, e não me diga para permanecer o mesmo!”. Enquanto pudemos dizer “eu não sou, eu estou”, ainda valerá a pena viver.

Texto da série:

Regime Ditatorial de Valores

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Milena Klinke
Milena Klinke
9 anos atrás

Aaaaa, ótima reflexão! Que texto bom! Mais uma provocação sobre o tema: ( 😉 ) […] O que aos poucos se descobre é que não se tem identidade quando se está no ato de fazer alguma coisa. Identidade é reconhecimento, você sabe quem é porque os outros se lembram de alguma coisa sobre você, mas essencialmente você não é isso, quando está fazendo alguma coisa. Eu sou eu porque meu cachorrinho me conhece, mas, do ponto de vista criativo, o cachorrinho saber que você é você e você reconhecer que ele sabe é o que destrói a criação. É o… Ler mais >

Vitor Beghini Barros
Vitor Beghini Barros
9 anos atrás

“Não me pergunte quem sou, e não me diga para permanecer o mesmo!” M. Foucault.

Mariana Bisonti
9 anos atrás

Atualmente, na sociedade do espetáculo é “Eu sou porque o outro me vê”.

“O jeito que escolhemos nos ver, limita quem podemos ser.”

Adoro citações, não posso evitar..

Nilson
Nilson
Reply to  Mariana Bisonti
6 anos atrás

…O heroísmo que pede platéia não é um ato heróico em sí,mas um espetáculo de narcisismo…

Fie
Fie
8 anos atrás

Eu não tenho identidade, tenho “estados de espírito”, quem eu sou varia conforme como me sinto. E é isso.

Andrea Barros
Andrea Barros
5 anos atrás

Que leve e delicioso é não ser nada. Nem ter que nada. Estar pleno como uma revoada . Silenciosamente dizer nada e nunca assustar se com uma trovoada. A única tormenta é a da cabeça tentando SER. Queres que eu seja? Pois bem. Serei a extensão do Mar e suas ondas bailando no vai e vem. Não tente me segurar nem queiras saber “aonde isso vai dar” …Todo meu prazer consiste em estar. Onde estou. Estar onde jamais sei quem sou. Gracias Rafael, você me inspirou ????