Skip to main content

Carrinho

Close Cart

-por Vinicius Lopes e Rafael Trindade

Brincamos de descobrir as formas das nuvens… mas é exatamente isso: uma brincadeira. É uma realidade que inventamos, nos permitimos mergulhar neste hiato sem a promessa de partir e a desculpa para ter que voltar. Brincamos, porque há de se brincar. As nuvens não têm forma, não têm dever, elas têm devir. Nuvens não se deixam prender por barreiras, elas passam por cima das limitações. Isso angustia? Mas elas vivem tão bem, leves e livres. O vento que sopra as transfigura e as leva, fechamos os olhos e vemos claramente. Vemos isso e queremos ser elas, ou pelo menos ter a sua companhia.

O devir nuvem é um conceito. Para que criar mais um conceito? Para o conceito nos criar? Ora, Deleuze já nos ensinou: conceitos nascem para responder uma pergunta: o que é o amor? Por isso fazemos de nossa página um Berçário de Ideias e mantemos um dicionário de conceitos sempre à mão. Por que devir nuvem? Para encontrar um novo amar, um novo há mar. Devir nuvem é um deixar-se levar para o alto, percorrer grandes distâncias sem esforço, mas mantendo a elegância. A nuvem dança com a terra e com o vento. Devir nuvem é atravessar um corpo sem órgãos azul turquesa!

Pense em uma nuvem igual ao corpo deste texto. Cada letra é uma partícula minúscula que o compõe. No devir nuvem, cada letra é uma molécula d’água, mas com sua singularidade. Podemos ser gelo, água ou nuvem:

Devir gelo

O amor gelo é um dos mais tristes. nãoháespaço, tudoestáapertado. Como é triste o amor onde as moléculas não têm espaço para se mover. Elas colonizam o espaço, elas roubam toda energia ao seu redor. Tudo se torna frio e calculista: racional. Amores podem ser como vampiros (múmias, mortos vivos e outras assombrações estão nesse conjunto). Tudo é duro, denso. Amores como este podem roubar o tempo, roubar vidas, roubar intensidades, o calor, o charme. Quando percebemos, estamos sufocados, cadê o ar? Não, não queremos que o mundo termine em uma grande calota polar de sentimentos frios e egoístas.

Devir água

Estamos em um ponto de grande fluência. Como um fluxo de palavras, um rio é um bom lugar para o amor mergulhar. (Já imaginou pular de cabeça em um lago congelado?). “Queremos fluir. Cansamos de ficar na margem olhando o rio, queremos ser o rio” (veja aqui). Mas por que o rio é um exemplo perfeito? Porque o amor nunca segue uma linha reta, porque ele se alimenta do gelo e das nuvens, porque ele deixa vida por onde passa. O rio não pode parar, esta é sua bênção e sua maldição, seu medo e sua esperança, sua sina. A temperatura de nosso planeta favorece a água em estado líquido, para nós isso também é possível: fluir.

Devir nuvem

Quanto mais energia investimos em matéria de amor, mais suas moléculas ficam  s  o  l  t  a  s, ganham mais espaço para se m o v i m e n t a r, se aquecem e levantam voo. Quando colocamos um espaço entre uma letra e outra no meio da própria palavra, estamos deveras permitindo que elas voem e sejam outras. “Amor” e  “a m o r”, são sentimentos completamente diferentes! Mas isso não é ruim?  Talvez, em momento de dificuldades poderíamos dizer “Ah! como gostaria de congelar o amor“. Mas a fraqueza costuma colocar palavras em nossa boca. Por que não dizemos: “que vontade de voar junto“? Queremos um amor que nos coloque na superfície mais lisa da terra. Pra isso é mister ser poeta e caçar para calçar as letras das nuvens, as tais gotículas que a compõem. Um poeta não quer compreender o amor, ele só quer amar e ser amado… O domínio das palavras abre espaço para o voar das nuvens! Não somos lesmas para nos arrastar pelos vales da rotina. As nuvens dançam com elegância, dão voltas e piruetas. O mundo lhes pertence!

Amar é estar em relação. Amar é uma aposta musical, amar é um ritornelo. Mas temos andado muito carregados. Muito pesados, levamos conosco todos os conselhos paternos, toda educação sexual, todos os preconceitos, todas as novelas das oito.

Queremos estar visceralmente apaixonados, queremos ser surpreendidos por declarações e presentes inesperados, queremos jantar à luz de velas de segunda a domingo, queremos sexo selvagem e diário, queremos ser felizes assim e não de outro jeito. É o que dá ver tanta televisão

– Mário Quintana

Muita bagagem… a liberdade não veste camisa de força. O espírito de gravidade (tão bem analisado por Nietzsche) é o maior inimigo de um devir nuvem. Amar seria prometer dar aquilo que não temos. Por hoje, prometemos nuvens, uma nova suavidade!

Pode ser pouco… mas só queremos encontrar alternativas para a miséria afetiva na qual nos afundamos, queremos, antes de mais nada desplatonizar amores. É possível que nossas relações nos ensinem novamente a voar? É possível amar sem arrastar seu amor como uma bola de ferro? Queremos devir nuvem! É sempre um perigo congelar-se, é muito bom fluir como um rio, mas queremos ora ou outra devir nuvem. Abraçar o outro como se o levássemos para dar uma volta pela vida, pelo céu, pela alegria, pelo amor.

Texto da série:

Ética dos Devires

Texto da série:

Am@r

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Milena Klinke
Milena Klinke
6 anos atrás

O melhor é quando a nuvem se agencia no laranja! Ou melhor, no azul-alaranjado!!!!
😉

Ana Maria Morais
Ana Maria Morais
6 anos atrás

Devir Nuvem…. certamente!!!!!!!!!!!!!!!
Tão bonito!!!!!!!!!!!!!!!

Iara
Iara
6 anos atrás
Irene Ferreira do Amaral
Irene Ferreira do Amaral
6 anos atrás

Gostei do texto.Fiquei só pensando na questão do “devir gelo”… se é devir, não flui necessariamente? Então o amor gelo não seria da ordem do cristalizado, instituído pelas convenções capitalísticas? Não seria uma linha dura? Abraço

Mariana
Mariana
6 anos atrás

De quem são as ilustrações?

Thayana
Thayana
6 anos atrás

Eu acho o texto lindo. De uma delicadeza incrível. Poético, profundo, vivencial. Precisamos de mais textos, palavras, sentimentos assim. Obrigada por trazer brilho, luz e amo nesse fim de tarde.

Marcos Vinícius (Maark)
Marcos Vinícius (Maark)
5 anos atrás

Eu não poderia ter lido esse texto em época melhor, realmente maravilhoso.
Talvez o maior problema de quem ame seja querer a todo momento compreender o amor, e nesse momento, deixar de viver o mesmo.
Parabéns.

Jeferson Sabran (@jesabran)
5 anos atrás

Em tempos de ódio político, me deparar com um texto incrível como este é um grande alento!
Sensacional!
Obrigado por dar vazão ao conceito – mais um instrumento pra tentar viver o “Amor Fati” (também tão bem analisado por Nietzsche)…