Skip to main content

Carrinho

Close Cart

“É sempre com mundos que fazemos amor” Deleuze e Guattari, O Anti-Édipo

Nosso pensamento foi impregnado pela ideia de falta quando, em verdade, só estamos vivos graças à abundância. A vida é produto do excesso: por que então pensar o amor como carência? Se sentimos um buraco no peito, então nos cabe perguntar se ele sempre esteve lá ou se é produto de alguma forma social decadente. Por que o amor é pensado como o desejo daquilo que não temos? O amor-carência como busca por completude é o primeiro problema que precisamos enfrentar.

Quando pensamos que o amor se apresenta como a falta de alguém, somos levados a buscar no outro um preenchimento, que, convenhamos, é impossível, e não deveríamos nos entristecer com essa constatação. Ninguém pode ser totalmente responsável por nossa alegria. A alegria eterna não existe, a tristeza faz parte de qualquer relação. Assim, o mito do par perfeito só serve para maldizer o amor que existe. 

De um problema ruim surge uma solução pior: se somos faltosos por excelência esperamos que o outro nos complete. Assim, nossos relacionamentos amorosos tornam-se pretensões totalitárias na medida em esperamos do outro a objetiva realização de nossa própria subjetividade. Estamos buscando a tampa de nossa panela, mas isso provavelmente só servirá para cozinhar algo em alta pressão. 

De uma péssima solução surge um modo de vida bastante limitado: se o outro nos completa então não é possível amar mais ninguém. Se acontecer de amarmos mais alguém, isto é visto como falta de amor ao primeiro, que provavelmente não era o definitivo, o melhor, o que se esperava. Vejam como um problema mal colocado nos coloca em um caminho ruim. Não é difícil perceber quanto o amor exclusivo é uma demanda difícil de atender. Um caminho trilhado recorrentemente pela monogamia sequencial: falta, pretensa satisfação total, clara insatisfação conjugal, separação, volta ao começo.

Precisamos recolocar o problema, pensando o  amor a partir da abundância. O amor é o que surge de um mundo mais vasto desabrochando à nossa frente. E isso acontece com mais frequência do que se imagina, ainda que em diferentes intensidades. Fazer do amor uma experiência mais cotidiana não significa diminuí-lo, significa desplatonizá-lo. Amamos um gesto, uma ideia, uma poesia, uma paisagem e, claro, uma pessoa – mas que erro ter dito “uma”.

O amor é abundante, não é um espaço a ser preenchido onde a partir de determinado encontro se diz “cheio”, como um banheiro ocupado. Temos o hábito infeliz de pensar tudo em termos espaciais. Entre os corpos, os encontros se dão numa dimensão intensiva onde nunca há capacidade máxima, há apenas variação, e nós próprios somos essa variação. Apesar do que nos fazem crer, estamos sempre abertos ao amor, querendo ou não, mais cedo ou mais tarde, somos inevitavelmente convocados a uma variação intensiva à qual não somos capazes de esquivar. 

Costumamos definir o amor-paixão nesses termos e é sempre bom lembrar que as paixões podem ser alegres ou tristes. A intensidade, no entanto, pode ser imensa, muitas vezes não é algo que possa ser ignorado facilmente. Nos encontramos apaixonados e nos perguntamos: o que foi que aconteceu? O encontro com os outros se dá sempre em um campo imprevisível e, às vezes, mesmo querendo esquivar, somos tomados por completo. As relações são produtos de inúmeras trocas espontâneas em um mundo imenso e vivo.

Cada pessoa é profundamente singular. Assim, não há por que eleger uma a despeito de outra quando se ama ambas. Cada relação é única. Em nossos relacionamentos, não precisamos nos ofender se outra pessoa aparecer, pois aquilo que ela é naquele momento, isto é, outra, nós não podemos ser. Não há como comparar relações, pois elas se dão em um campo próprio, em seu momento, em seu canto, à sua maneira. Nós criamos e somos criados pelo amor a partir da abundância de corpos que nos cerca. 

Ainda nos surpreendemos quando amamos mais de um? Essa deveria ser uma condição para amar, pois o mesmo ser pode ser, ele mesmo, outro, daqui a pouco. Vejam, não se trata de fazer um elogio tolo à poligamia. Já dissemos, é uma possibilidade, mas apenas uma delas. No entanto, para que nossos amores sejam mais leves, precisamos aprender a nos relacionar a partir da diversidade que há em nós e nos outros.

Perdoem-nos se esses princípios parecem descomprometidos com a realidade. Sabemos o quanto pode ser difícil lidar com a mudança. O devir é desafiador, mas ele não deixará de sê-lo por torcermos contra ele. Implicar-se no processo que faz com que tudo se modifique é a nossa maneira mais franca de lidar com a vida. Nossa luta não deve ser contra a mudança, mas pela contemplação de nossos desejos nela. 

Nossa primeira captura foi o amor como falta e a idealização do casal perfeito. Mas, em tempos tão acelerados, há ainda outros problemas. É evidente que nossas relações amorosas foram arrastadas pelo capital. A questão é que o capital produz uma falsa abundância. Nas prateleira estão infinitas unidades das mesmas coisas, diversas marcas de um mesmo conteúdo, apenas em embalagens diferentes. Escapar do amor-carência para cair no amor-consumo não parece muito interessante, aliás, eles são muito semelhantes.

Por isso a proposição de uma anarquia relacional, essencialmente anti-capitalista, é importante. Sem ela, pensaremos que estamos nos relacionando a partir da abundância, mas na realidade estaremos apenas tratando pessoas como produtos, dispensando-as à esquerda de nossas telas. Se não questionarmos o capital, jamais encontraremos no amor um valor não monetário. Costumamos pensar que os relacionamentos monetários são apenas aqueles que envolvem moeda, mas na verdade o capital não se resume a isso, ele é o valor em torno do qual tudo gira, inclusive nossas relações.

A forma de troca simétrica dominou toda a nossa expectativa relacional. A realidade é que uma relação amorosa é tudo menos uma transação, uma troca entre iguais. Uma transa é a produção de um corpo misto, transversal, em intersecção com outros. Trocamos porque somos distintos, entregamos-nos em nossas particularidades, multiplicamo-nos em nossas diferenças. Unir-se por amor é difundir-se, é tornar-se menos individual, é perder-se um pouco de si mesmo, para encontrar-se um pouco no outro.

Para escapar do capital, precisamos insistir no amor como produção de uma intensidade real, que vá além da lógica do consumo. O amor não é um serviço, uma pessoa não é um produto, uma relação intensa não se traduz em números, quantidades e comparações. Abundância não significa múltiplas unidades todas iguais, mas múltiplas singularidades. Uma relação amorosa é a ocasião única, onde vivemos uma alegria irreprodutível, irreplicável, incomunicável. 

Queremos o amor como vivência da multiplicidade e, para isso, precisamos questionar as noções de carência, completude e consumo. Partimos de um princípio de abundância para descaracterizar o amor como um recurso limitado. Somos tão capazes de amar múltiplas pessoas ao mesmo tempo, quanto somos capazes de amar de múltiplas maneiras uma mesma pessoa.

Texto da Série:

Anarquia Relacional

Rafael Lauro

Autor Rafael Lauro

Música e Filosofia são as linhas que tecem a minha vida...

Mais textos de Rafael Lauro
guest
20 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Juliana
Juliana
11 meses atrás

Tomar o amor como abundância só é possível quando se considera o outro como outro, e não como a parte que falta, ou me completa. Acho isso de uma generosidade e de uma leveza admirável.
À vocês, parabéns pelo programa. Razão inadequada é um afeto! Obrigada por nos presentear tão amorosamente com tantas ideias.
Abraços!

Márcia Furquim
Márcia Furquim
11 meses atrás

Nossa! Esse texto fez tanto sentido para mim!!
Obrigada Rafael e toda a equipe. Levei essas questões trabalhadas no texto para as relações familiares e em especial para as relações de amizade, de trabalho, enfim, elas cabem em qualquer relação né?
Estou amando o trabalho e vocês e quero me aprofundar nesses conceitos para dar mais qualidade à minha vida e ao meu trabalho. Aliás, gostaria de conversar melhor com você sobre o meu trabalho, pois creio que teremos possibilidades de ações conjuntas.
Grata e Beijos.

Vanessa Aquino
Vanessa Aquino
11 meses atrás

Concordo muito com o texto. O amor perdeu campo para um amor idealizado. O amor autêntico é sentimento que anda de mãos dadas com a liberdade. Com a sociedade aprendemos a ilusão de que é importante estar seguro, na carreira, no patrimônio e claro, no amor. Queremos a segurança do amor eterno que apenas a morte cessa, que é único e privado e nesta ilusória realidade não resta espaço para amar, resta apenas o espaço de ditar o que o outro deve ser e ao mesmo tempo nos cercear, confundimos amor com escravidão. Ler este convite à repensar nossas concepções… Ler mais >

taniamarques.07
taniamarques.07
11 meses atrás

Amor relacional, uma proposta afirmativa de amor. Nós, que estamos aqui, conseguimos compreender muito bem o que isso significa. Contudo, assim como o conceito de anarquia, que foi capturado pelo capitalismo, a noção de amor abundante é cada vez mais escassa entre os seres humanos. A impressão que tenho é que a maioria das pessoas já entregaram voluntariamente todos os seus sentimentos à axiomatização plena. Diga-me, onde eu encontro um homem que compreenda isso tudo o que foi dito, sem se achar o legítimo macho-alfa que “pega” todas pra transar? Rafael, que olhar esse mesmo homem debruçará sobre nós, mulheres,… Ler mais >

Nathalia Silva de Freitas
Nathalia Silva de Freitas
Reply to  taniamarques.07
9 meses atrás

Muito interessante tua questão, é um de nossos dilemas atuais, não?! Falo da atual liberdade sexual das mulheres servindo ao próprio modelo patriarcal, perpetuando nossos corpos como “objeto de uso” pelo outro. Como ter liberdade mas também não se permitir objetificar? Mas também não acho que seja impossível viver assim, uma vez que tudo começa pela construção de um novo olhar sobre o amor, e há diversas formas de amar. Um abraço!

Arlekino
Arlekino
Reply to  taniamarques.07
5 meses atrás

As lutas que não se conectam com outras, de gênero, classe e etnia, acabam estiolando em identitarismos neoliberais. O capitalismo ama as lutas parciais.

leonardo
leonardo
11 meses atrás

Texto extremamente necessário!! Que concepções de amores no plural sejam cada vez mais difundidas, que relações construídas por e pela alteridade sejam as bases desses amores ad infinitum! Me sinto feliz por conseguir achar essa pérola, sempre me senti preso nessas normas pré-estabelecidas, como é possível existir um amor identitário?! Amor é diferença!

Ju
Ju
11 meses atrás

Nossa, Rafael, que texto! A meu ver, sua escrita tem crescido em intensidade. O curso Spinoza Subversivo tb foi muito incrível!

Carlos Filho
Carlos Filho
10 meses atrás

Olá, Rafael. Li os comentários abaixo, tão construtivos que até me sinto constrangido.
Porque eu vi um texto bastante prolixo, e dizendo de um amor que não conhecemos, quanto mais especular sobre ele! Sobre o amor penso como Nietzsche. Grato.

Ellyson Freitas
Ellyson Freitas
Reply to  Carlos Filho
10 meses atrás

Kkkkkk a resposta foi incrível..
Fique com Nietzsche.. Tranquilo.. ?
Foi foda..

jazz
jazz
10 meses atrás

queria dizer que eu amo o razão inadequada e o imposturas filosóficas

Last edited 10 meses atrás by jazz
Arlekino
Arlekino
5 meses atrás

A argumentação convence, mas não comove. Nos dias atuais, em que a estrutura da fantasia das pessoas é mais resistente que os glaciares, para haver uma tal mudança de expectativas sociais (o amor cobiçoso deixar de ser o padrão e o paradigma ético) exige engendrar um universo de fabulação. Um novo amor (no sentido do Rimbaud) se afirma por versos, trovas, canções, contos, romances, filmes ficcionais, narrativas de histórias de vida. Que ainda não existem na profusão necessária…

Tiago Calazans
Tiago Calazans
3 meses atrás

Que lindeza, obrigado!