Física

A teoria epicurista da natureza

Não há como dissipar o que é temido diante das questões principais sem saber qual é a natureza do Universo – mas apenas algo inquietante em relação aos mitos; de modo que, sem estudos sobre a natureza não haveria como recuperar prazeres puros”

– Epicuro, Máximas Principais

Escolhemos as pinturas de Pierre-Henri de Valenciennes para ilustrar esta série

Na filosofia de Epicuro, a física ocupa um lugar muito importante: ninguém pode ser feliz, diz ele, sem conhecer a natureza. Em outras palavras, se não conhecermos a physis adequadamente, não poderemos ser felizes. Isso significa que para viver bem é preciso estudar a natureza.

Por que? Ora, se a concepção de felicidade epicurista é a da ataraxia, da imperturbabilidade, da tranquilidade, então fica claro que apenas quando não temos medo podemos ser felizes. Para Epicuro, estudar a natureza é uma maneira de combater os medos que surgem da nossa ignorância.

O ignorante facilmente se deixa abalar pelo mundo à sua volta. Ele escuta um raio e diz: “devem ser os Deuses que estão irritados”, acontece uma seca e ele pensa: “devem ser os Deuses que estão se vingando de mim”. A ignorância não é uma bênção, é  um fomento para as dores da alma.

Além disso, soma-se à dor real a dor da superstição. O vulgo se deixa levar por fábulas, por quaisquer tolices que lhe são ditas. As superstições são como ventos fortes que arrastam aqueles que não têm o conhecimento da física para se segurar. Os ignorantes das leis naturais não conseguem ser felizes, pois são facilmente derrubados pelo mundo exterior.

Ou seja, precisamos estudar a natureza para que não sejamos enganados, para que os medos não nos dominem, para que as superstições não nos iludam. Epicuro propõe o estudo da Natureza para que não deixemos de usufruir de prazeres simples por causa de dores desnecessárias.

Se nunca nos perturbassem apreensões diante dos fenômenos celestes nem acerca da morte, como algo que de algum modo nos afetasse, ou ainda o fato de não compreender os limites das dores e dos desejos, não teríamos necessidade de estudar a natureza.”

– Epicuro, Máximas Fundamentais

Sendo a concepção de natureza epicurista absolutamente imanente, ela funciona como um remédio contra qualquer tipo de abuso dos homens sobre os homens em nome dos deuses. A física, enquanto racionalização dos fenômenos sensíveis, é um enfrentamento de todo tipo de irracionalidade social ou politicamente estabelecida.

Podemos resumir a física epicurista em seis ideias:

  1. Nada pode nascer do nada: uma coisa não pode aparecer de repente, ela precisa de uma causa para a qual será um efeito. Consequentemente, o mundo não pode ter sido criado do nada, mas é resultado de uma transformação daquilo que sempre existiu.
  2. O todo é formado apenas por átomos e vazio: só existem corpos e espaço, todas as explicações serão dadas através destes dois conceitos. Pela própria etimologia da palavra, os átomos não podem ser divididos em partes menores. Eles são o que são: incorruptíveis, eternos, imutáveis.
  3. Todos os corpos são compostos de átomos: tudo o  que existe é feito de átomos em diferentes combinações. Os corpos são agregados ou concílios dessas pequenas partes.
  4. O todo é ilimitado: o vazio é ilimitado (ápeiron) no tempo e no espaço e segue em todas as direções. O universo é infinito, pois não há nada que limite o vazio.
  5. Os átomos se movem e entram em choque: estamos vivendo um eterno presente de átomos entrando em choque e formando corpos ou desfazendo-os.
  6. Há inúmeros mundos: se há inumeráveis átomos em um espaço infinito, então só podem existir inumeráveis mundos. Nada impede que existam outros compostos de átomos em outros lugares e tempos que se unem formando mundos parecidos com o nosso. 

Se hoje essas concepções físicas nos parecem banais, é apenas porque elas tiveram uma longa história. O epicurismo é parte importante desse longo desenvolvimento. Além de ter proposto uma concepção materialista que acabou por vigorar em nossas ciências modernas, Epicuro fez de suas ideias sobre a natureza o fundamento para um modo de vida onde o medo é combatido pela razão, possibilitando uma nova calma e felicidade.

Átomos

Clinamen

Alma