PROPAGANDA VOLTA AOS PONTOS DE ÔNIBUS EM SP

Uma segunda feira depois do almoço, sentado no ônibus, meio vazio, a caminho do trabalho. Ainda perto de minha casa, passávamos por uma rua famosa por suas lojas de departamento e varejo, no melhor estilo C&A. Como de costume, estou com o pensamento longe dali, lendo um romance francês, quando percebo ao meu lado algumas senhoras comentando vivamente as belas peças expostas nas imensas vitrines das lojas que passavam do lado de fora. O ônibus, então, para no farol vermelho. As senhoras levantam-se e vão até a janela ver mais de perto e comentar os preços promocionais de tal blusinha azul ou de uma linda calça jeans, não me lembro bem. Olho para o outro lado e vejo alguns passageiros assistindo, em uma daquelas pequenas televisões que todos nossos ônibus possuem, um comercial qualquer em que uma celebridade qualquer exibe um produto qualquer.

Fecho o livro. Observo atentamente o comportamento daquelas pessoas. As senhoras, entusiasmadas, perguntando-se se haveriam, por acaso, números maiores daquela roupa exposta no corpo franzino da manequim. Os telespectadores, entediados, buscando algo com o qual identificar-se, depositando na pequena televisão a esperança de que esta possa achar-lhes algo de útil no que gastar o tempo perdido.

Percebo, depois de muito tempo, acima de minha cabeça, um anúncio. Aulas de francês. Leio as letras garrafais algumas vezes, depois as pequeninas letras abaixo. Interesso-me, anoto o telefone, chuto um preço, imagino como seria estudar lá. Alguns minutos depois, chego ao meu destino. Desço do ônibus. Lembro repentinamente que já faço aulas de francês. Lembro também que estou bem satisfeito com elas. Ponho-me a pensar sobre as condições de nossa viagem a bordo do Terminal Santo Amaro 476A-10. Fomos assaltados. Atacados, sem perdão, por todos os lados. Aproveitaram-se de nossa distração, para meter-nos desejos goela abaixo.

Estou parado no ponto. Um pouco desnorteado. Perdi em algum lugar minha vontade. Quando volto à mim, ouço algumas pessoas comentando este novo ponto de ônibus, que fora instalado semana passada. Abrigo arrojado, design “High-Tech”, todo de vidro, teto com espessura de 12 mm, película escurecedora e vedação adicional para o caso de chuva. E, é claro, um painel de 2 metros quadrados destinado à publicidade, com o qual me deparei logo que desci do ônibus. Nele, uma cerveja estupidamente gelada. Naquela segunda feira de inverno, eu não estava com sede, até então.

Novos-Pontos-de-Ônibus-em-SP

Escrito por Rafael Lauro

Sou formado pelos livros que li, pelas músicas que toquei, pelos filmes que vi, pelas obras que observei, pelos acontecimentos que presenciei e pelos relacionamentos que tive. Sou uma obra aberta.

2 comentários

  1. Não entendi o intuito deste post.

    Seria uma crítica ao consumismo e ao marketing? O marketing de 2 metros quadrados que viabilizam que milhares de usuários tenham um abrigo digno e bem estruturado (high tech) para aguardar seu transporte? O mesmo marketing que sustenta o consumismo exacerbado que mantém grande parte das pessoas que estavam ao seu lado no ônibus empregadas, tecendo as roupas para pessoas que não se sentem confiantes com seu corpo e buscam nelas se sentire melhor, ou construindo os abrigos de ônibus para trabalhadores que esperam na chuva ou lecionando uma língua falada por 2% da população mundial.

    Ou a crítica é ao modelo de beleza das manequins anoréxicas? Se for, seria mais justo, apesar de que uma rápida análise naturalista nos mostra que existem padrões de beleza na natureza. Os animais também segregam pela mais bela penugem, a maior juba, o chifre mais poderoso, o maior indivíduo… Por que quando vemos no Discovery Channel, os padrões de beleza não são tão assustadores quanto no Big Brother? O próprio conceito de beleza implica em segregar A por B, de acordo com um padrão socialmente aceito naquele momento histórico.

    Acredito que no fim o texto foi só uma exposição de fatos, e não uma crítica implícita.

    Curtir

    1. É mera observação. Aqui, não tive a pretensão de um texto analítico
      Deixei a crítica (possível) para o leitor …

      Mesmo assim, deixei implícita uma pequena crítica particular à este movimento de precisar vender-nos algo a todo instante. Se é pertinente ou não, cabe a cada um julgar.

      Curtir

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s