Há situações nas quais a única saída para o homem é devir-revolucionário” – Deleuze, Abecedário, G de Gauche

Como fazer política sem cair nos velhos clichês? “Leia o livro tal“, “faça como o político X“, “Dez lições para um fazer político“? Sim, já conhecemos bem a política da Globo, dos jornais, das manifestações, do almoço dominical com a família. Queremos agora encontrar a micro-política que se faz na rua, na ocupação, nos becos, nos espaços que escapam do poder constituído. Queremos encontrar uma política que não imite, nem que seja análoga ao que vimos até hoje. O político é o pastor? E daí? Nós não somos ovelhas! O político é como um pai? Pois fiquem sabendo: nós nascemos órfãos e anarquistas!

Nossa política está contaminada de ressentimento, vestimos máscaras, carregamos cartazes, andamos desengonçados sem encontrar a leveza necessária. A dificuldade de realizar encontros e ampliar os horizontes de um fazer político está diretamente ligada a este engessamento. Nós tropeçamos em pegadas que não são nossas e nos perdemos no ritmo de tambores que não conhecemos. Devir-revolucionário é utilizar-se da figura do revolucionário para entrar em devir, o que eu faço depois de sair de uma manifestação? Depois de ver um filme, depois de ocupar uma escola? A força está em se utilizar deste modelo para sair do jogo de identificações e entrar em devir. Não se trata mais de nós contra eles, vândalos e policiais, coxinhas e vermelhinhos.

A resistência consistiria em embarcar nos processos de diferenciação de todos esses modelos, pois com isso é o próprio falocratismo que estaríamos desinvestindo” – Félix Guattari e Suely Rolnik, Micropolítica – Cartografias do Desejo, p 81

- Baksy
– Banksy

Todo devir-revolucionário é uma máquina de guerra, ele se constitui juntamente com a criatividade do devir-criança, com a singularidade do devir-mulher, com a multiplicidade do devir-animal. Sim, pertencemos à esquerda, mas a esquerda se diz de várias formas. Não estamos preocupados com as revoluções, todas elas fracassaram, todas sem exceção: Inglesa, Americana, Francesa, Argelina, Russa, Cubana, Chinesa. Ainda assim, mesmo com o fracasso das revoluções, isso nunca impediu que as pessoas se tornassem revolucionárias.

Um devir-revolucionário permanece indiferente às questões de um futuro e de um passado da revolução; ele passa entre os dois. Todo devir é um bloco de coexistência” – D&G, Mil Platôs 4, 96

É um vírus que penetra em um sistema aparentemente estável para mostrar suas várias falhas. Há uma multiplicidade movimentando-se em todo devir-revolucionário, o agir micropolítico gerando inovações que sobem pelo sistema, contaminando e se disseminando. Encontrar, ou criar, territórios onde negros e homossexuais criem alianças, mulheres e operários juntem forças, estudantes e metroviários andem juntos. Um plano onde a diferença se junta, sínteses disjuntivas se constituem, abram espaço pelo meio pobre, insosso das molaridades.

- Baksy
– Banksy

Isso está para além de todo movimento social que cai em um redemoinho de ressentimento  e direitos. Claro que não estamos menosprezando as lutas por direitos, mas este território ainda é contaminado pelo reconhecimento, e este reconhecimento está sempre associado ao poder. O direito foi criado para legislar de cima para baixo. Onde está a jurisprudência? Onde está o direito de criar valores e a potência de afirmar-se? Precisamos realmente de juízes? O singular é difícil de ser codificado pela ótica dominante, nascem rupturas, desentendimentos.

Não podemos cair na armadilha dos direitos, é preciso ir além, nos dão direitos e logo nos cobram deveres. Não queremos jogar o jogo do poder, nós estamos distantes de sua lógica. Tomar o poder? Mas o que queremos não é exatamente por fim a qualquer forma de opressão? Todos os políticos e poderosos são tristes, não queremos seus problemas, a potência funciona na superfície dos encontros, coloque-a e uma pirâmide e observe tudo degringolar.

Por isso um devir-revolucionário não se preocupa em como tomar o poder, não há uma estratégia de tomada do poder. O devir entra em ressonância com todos os revolucionários para pensar uma micro-política. Não há mais uma linha que liga dois pontos, opressão -> revolução -> utopia. A linha descola-se do ponto e trilha novos caminhos inesperados: ocupar escolas, por exemplo. Ninguém pode prever o que uma linha que se descola da história linear pode fazer. E é exatamente isso que um devir-revolucionário quer, descolar linhas, operar desvios, encontrar outros modos de viver que sejam revolucionários.

A micro-política não é pequena política, ela pode ser maior que qualquer assinatura do presidente. Não é inferior, ela pode influenciar mais que os decretos do governador. Uma micro-política é uma política menor: se faz por movimentos minoritários, se faz por linhas de fuga que desestabilizam o status quo. Onde o Estado não penetra, lá estão micro-políticos, onde o capitalismo não alcança seus tentáculos pegajosos, lá está um espaço potencial para um devir-revolucionário.

Há uma confusão entre devir e história. Toda vez que uma revolução toma forma, os historiadores se perguntam de onde ela veio. Claro que podemos achar as causas, mas apenas a posteriori, e com grande dificuldade. O devir-revolucionário rompe a malha da história, é exatamente o a-histórico se afirmando, aquilo que escapa. Todo revolucionário descola-se da história porque afirma a potência do devir, do intempestivo. Todo ato de criação é trans-histórico, pega atalhos, passa reto onde existiam curvas. O ato revolucionário é uma linha de fuga que se solta, que se desprende, e que por isso mesmo cria outras perspectivas e outros territórios. A rebeldia é espontânea, ela não cabe em partidos e governos, não reconhece as grandes personalidades como modelos. O devir-revolucionário é um devir que resiste, e resistir é como povoar um deserto.

É necessário colocar-se para além do bem e do mal, estar para além de seu pequeno eu. Quantas forças atravessam um devir-revolucionário? Impossível contar, ele é o ponto de encontro de inumeráveis devires. A minoria é todo mundo, porque o padrão é vazio, ninguém se encaixa lá, ele é usado apenas como modelo de opressão e condução das forças. O voto nulo é o único universal. A representação está cada vez mais ultrapassada. O devir-revolucionário sabe disso muito bem, ele é ninguém e todo mundo. Uma linha se solta, desvia do ponto, viva o devir-revolucionário!

Toda problemática micropolítica consistiria, exatamente, em tentar agenciar os processos de singularidade no próprio nível de onde eles emergem. E isso para frustrar sua recuperação pela produção de subjetividade capitalística” – Félix Guattari e Suely Rolnik, Micropolítica – Cartografias do Desejo, p 130

> Texto da série: Ética dos Devires <

- Baksy
– Banksy

Escrito por Rafael Trindade

Artesão de mim, habito a superfície da pele.

4 comentários

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s