Skip to main content
CarrinhoClose Cart

Mesmo que a psicanálise se considere uma ciência(?), é de extrema importância analisar quais são as bases filosóficas nas quais Freud se apóia para construir sua teoria. O psicanalista assumiu muitas vezes em sua obra uma postura defensiva com relação à filosofia dizendo que ela era um obstáculo à pesquisa científica. Talvez o único filósofo a quem deu crédito claramente – ainda que pouquíssimas vezes – seja Schopenhauer. O filósofo viveu entre 1788 a 1860 e desenvolveu uma teoria que, em muitos aspectos, cria a base para a a construção da psicanálise cem anos depois. Nossa intenção não é denunciar Freud por plágio, mas é inevitável não fazer aproximações entre as ideias destes dois pensadores, mesmo que cada um tenha seguido caminhos diferentes. Através de nossa pesquisa, pudemos notar várias semelhanças. Trago 5 delas para vocês:

  • Inconsciente – Tanto a Vontade para Schopenhauer como o Inconsciente para Freud possuem características muito parecidas. Uma força que é maior que a vida consciente do homem, que funciona como um impulso cego, um esforço sem fim que se manifesta apenas de forma indireta na realidade – a Vontade através da representação e o Inconsciente através dos sonhos, atos falhos, entre outros. Esta seria a terceira ferida narcísica que Freud tomou como ideia sua, mas que Schopenhauer postulara 100 anos antes. O homem não é dono de sua própria casa, ele é mais como um cavaleiro que dirige um cavalo, mas que apenas tem as rédeas e não a força que o impulsiona.
  • Recalque – A ideia de recalque foi umas dos primeiros conceitos postulados por Freud, se trata de uma lembrança ou acontecimento tão doloroso que o Ego recalca esta lembrança, “apaga”, torna-a inconsciente, evitando que o indivíduo tenha contato com ela. Schopenhauer afirma a mesma coisa quando diz que a Vontade não deixaria que certos conteúdos chegassem ao intelecto, porque isso o prejudicaria. Em caso extremos, o próprio intelecto desligaria-se da realidade, levando o indivíduo à loucura.
  • Sexualidade – Para os dois pensadores, se faz importante notar a ênfase na questão da sexualidade. Schopenhauer é o primeiro filósofo moderno a tratar desta questão: não é o indivíduo que importa, mas sim a espécie que se propaga através da sexualidade. Freud chega a dizer que o filósofo foi o primeiro a advertir a humanidade quanto à importância deste assunto ainda tão subestimado. Se Schopenhauer desenvolveu este conceito através do caminho filosófico, Freud apenas teve que reescrevê-lo com uma roupagem científica.
  • Morte – A morte se torna assunto central na obra de Freud a partir de 1920 com a publicação de “Além do Princípio do Prazer“. Onde postula-se os conceitos de Pulsão de Morte/Pulsão de Vida. No primeiro momento da exposição destes conceitos, Freud chega à conclusão de que a pulsão de Morte seria um força que supera tudo e todos, buscando trazer todas as coisas para a quietude, para um lugar sem nenhuma tensão. A causa da morte do indivíduo seria sempre interna. Neste primeiro momento, a relação com Schopenhauer é quase explícita. A Vontade consome a si mesma porque ela é toda a realidade, isso levaria o indivíduo à morte. Mesmo que este lute para manter-se, ele faz parte de algo maior que o supera e o engole. A morte, seria assim, a meta final de todo ser vivo.
  • Pessimismo – Schopenhauer simplesmente afirma que a vida é sofrimento: um pêndulo que oscila entre tédio e sofrimento. Queremos algo, conseguimos, ficamos entediados e voltamos a sofrer por desejar outra coisa que não temos. A única escapatória definitiva é pela via ascética: matar o desejo, buscar a quietude da vida dos santos e monges, a contemplação do espetáculo do mundo. Freud não chega às mesmas conclusões mas parte do mesmo ponto. A terapia nos livraria de um grande tormento para voltarmos a conviver com o sofrimento cotidiano, o mundo é sofrimento. Freud diz: “seríamos tentados à dizer que não está contido no plano da ‘criação’, que o homem seja feliz“.

Relembrando que nossa intenção não é acusar Freud de plágio (mesmo que alguns autores considerem esta possibilidade). Apenas gostaríamos de prestar as devidas honras às ideias de Schopenhauer que tanto influenciaram o criador da psicanálise. Sendo assim, vemos que Freud, com seu barquinho da metapsicologia, aportou pelo menos cinco vezes na baía da metafísica de Schopenhauer.

Texto da Série:

Comparações

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
Subscribe
Notify of
guest
59 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Milena Klinke
Milena Klinke
10 anos atrás

AA, eu diria que é plágio, em?….hahhaha! A filosofia tá em tudo, é a base da maioria das ideias, não tem como fugir! ( que bom) 🙂

Márcia Padilha
Reply to  Milena Klinke
10 anos atrás

Tudo começou com a filosofia, toda ciência tem filosofia em sua base. Gostaria de ler o texto que fala da relação de pulsão morte em Freud e o conceito de Vontade de Schopenhauer.

Fabiana Savoya
10 anos atrás

Lindo! Como é maravilhoso saber que as ideias são pensadas, repensadas, reformuladas, desconstruídas e novamente reconstruídas… Se há algum tipo de beleza no ser humano, essa capacidade é uma delas!

FELIPE BARBOSA DA SILVA
FELIPE BARBOSA DA SILVA
Reply to  Rafael Trindade
10 anos atrás

Olá você poderia enviar o artigo que para o meu e-mail?? Agradeceria muito. Desde já grato pela atenção

Manuca
Manuca
Reply to  Fabiana Savoya
10 anos atrás

Fabiana, seu comentário fora muito chulo. Conteúdo, loirinha, conteúdo.

Faby Saboya
Reply to  Manuca
9 anos atrás

Beijinho no ombro!

DANIEL
DANIEL
10 anos atrás

Olha, a Psicanálise não se pressupõe ciência (no sentido positivista) e todas essas correlações são no mínimo precipitadas… É óbvio que tanto as idéias de Freud quanto de Schopenhauer bebem de fontes semelhantes bem como de um contexto bem amplo, que viria a calhar ser mencionado neste texto pseudo filosófico que tenta em 1 página o que precisaria de 500 pra desenvolver. O calibre do que tu ta afirmando é muito maior do que a base teórica que tu expõe pra isso.

Romeu Oliveira
Reply to  Rafael Trindade
7 anos atrás

Rafael Trindade gostei muito do texto… o que vc escreveu eu ouvi de uma professora no começo de faculdade. Vc faz um excelente trabalho, parabéns!
E parabéns, também, pela serenidade diante de pessoas obtusas que se divertem com suas próprias grosserias. São pessoas que talvez não consigam fazer algo melhor…

Gabriel Almeida Assumpção
Reply to  DANIEL
10 anos atrás

Daniel, parece que você não leu mesmo Freud. O próprio autor reconhece dívida para com Schopenhauer em “Além do Princípio de Prazer”. E para Freud, a intenção era, sim, uma ciência no sentido positivista. O que ele desenvolveu pode ser outra coisa, mas o que ele queria era uma Naturwissenschaft. Se Lacan e outros têm medo da ciência, aí é outra história. Devia ser mais educado em seus comentários.
Rafael Trindade, bacana o post. Tenho estudado mais Jung atualmente, e este também é devedor (assumido) de Shopenhauer. Abraço

normando
normando
Reply to  Gabriel Almeida Assumpção
10 anos atrás

o Ecce homo de nietzche, Freud relata tb da filosofia de Nietzsche..

Fernando Growald
Fernando Growald
Reply to  normando
10 anos atrás

exato! tá faltando bigodudo mais carismático do planeta! ele é uma ponte interessante para entender a relação de Freud com Shopenhauer… Mas o próprio Freud não faz referência ao Nietzsche… Mas os motivos são diversos e divertidos.. hehehe

andré
andré
Reply to  Gabriel Almeida Assumpção
9 anos atrás

Gabriel, excelente ponto de vista.

Manuel Sanchez
10 anos atrás

Republicou isso em Opinião Centrale comentado:
Ótimo texto do blog “Razão Inadequada”. Recomendo a visita do mesmo para todos.

Josiane
Josiane
10 anos atrás

Gostei do seu texto, e tudo que fale sobre Schopenhauer eu gosto de ler…kkkk valeu.

normando
normando
Reply to  Josiane
10 anos atrás

Pra mim o melhor.

normando
normando
10 anos atrás

opa manda pra mim..

Fabiana
Fabiana
10 anos atrás

Exatamente, faz todo o sentido!

Diego
Diego
10 anos atrás

Interessante.Eu fiz meu TCC em Schopenhauer e gostaria sim de receber o teu artigo.

igor
igor
10 anos atrás

Quero conferir o artigo . Pode manda r o link pro meu email aí. Valeu

luccavogel
10 anos atrás

Republicou isso em Kunst des Luquis zu sein..