Skip to main content

Carrinho

Close Cart

Dócil, adjetivo:

  1. Que se lida com facilidade; que é fácil de ensinar e aprende facilmente; manso: cão dócil.
  2. Que assimila muito bem uma orientação; que obedece sem oferecer relutância; obediente: tinha uma filha excessivamente dócil.
  3. Pouco usual. Que tem facilidade para aprender.

O Corpo Dócil é o primeiro personagem de Foucault, ele é um produto que está em todas as prateleiras de nossa sociedade, vem nas mais diversas embalagens e pode ser encontrado em praticamente todas as instituições. Ele é o corpo que foi trabalhado arduamente. Trata-se, enfim, do efeito esperado pelo poder disciplinar.

É dócil um corpo que pode ser submetido, que pode ser utilizado, que pode ser transformado e aperfeiçoado”

– Foucault, Vigiar e Punir

O homem moderno nasceu no fim do séc. XVIII e já está para morrer, disse Foucault. Mas como nasce este homem que conhecemos hoje? Como se dá vida a este ser? Durante a era moderna, o poder descobriu o detalhe, o absolutamente ínfimo, aquilo que antes passava despercebido. Criou novas técnicas de dominação.

Até um pouco antes da Revolução Francesa, e a partir daí com cada vez mais força, a subjetividade se tornou algo que se fabrica, o poder age em cada indivíduo para fabricar corpos dóceis, o trabalha detalhadamente, sem folga, sem espaços. Como um origami, o poder disciplinar nos dobra até obter a forma que mais lhe apraz.

O corpo dócil se faz na união destas duas características: utilidade em termos econômicos e docilidade em termos de obediência política. A fórmula é simples: o corpo dócil é tão obediente quanto produtivo. O soldado mais mortal e que obedece ordens mais prontamente; o aluno mais quieto e que tira notas mais altas; o trabalhador mais produtivo e menos preguiçoso; o doente mais criterioso na hora de tomar seus remédios e menos queixoso às dores do tratamento.

Está aqui o resultado, um corpo cindido, afastado de seu poder político, mas completamente ligado à maquinaria econômica.

O corpo humano entra numa maquinaria de poder que o esquadrinha, o desarticula e o recompõe”

– Foucault, Vigiar e Punir

O corpo tornou-se alvo do poder, descobriu-se que ele podia ser moldado, rearranjado, treinado e submetido para se tornar, ao mesmo tempo, tão útil quanto sujeitado. Pouco a pouco foi dobrado pelo poder, de maneira sutil, através de várias técnicas de dominação: no espaço, no tempo, nas gêneses, nas composições. Não que esta criação seja inédita, as relações de força agem e agiram desde sempre, mas com a modernidade o corpo passou a ser dividido, separado, medido e investigado em cada detalhe.

O alvo muda: já não são tanto os indivíduos marginais ou irregulares, mas a classe dos trabalhadores”

– Foucault, Sociedade Punitiva

– Retirado do livro Vigiar e Punir

Se todo trabalhador é um possível malfeitor, se ele está sempre a um passo de cometer um delito, então deve ser treinado com diligência, deve ser vigiado constantemente, deve passar por reavaliações, reciclagens, para que se possa retirar o máximo possível desta engrenagem. Tudo começa desde cedo. Quanto mais dócil, mais dificilmente emperrará a máquina de produção. Tão reprimido quanto treinado, aceitará facilmente as coisas como são. Tão submetido quanto lucrativo, se esforçará para entrar no mercado de trabalho e vender sua força. Arte das doses: aumentar a lucratividade diminuindo o pensamento político e crítico.

Aparatos de produção e de reclusão juntos, amalgamados. O sinal de entrar nas celas é o mesmo sinal de fim de expediente e permissão para voltar para casa. No mesmo espaço encontramos divisórias e aberturas de fluxos. O encarcerado e o trabalhador se confundem, os dois estão presos e não sabem como escapar. Um por muros altos, outro porque foi condicionado a obedecer e não sabe fazer de outra maneira. O poder cria sujeitos que se curvam ao modo de vida capitalista e à sua maneira de existir.

O corpo é docilizado para se tornar mais uma peça na grande máquina de produção. E, como qualquer produto de produção em massa, este corpo passa por vários estágios de confinamento até estar acabado: tudo começa com a família, depois é necessário ir para a escola para aprender os primeiros rudimentos de obediência e produção; aos dezoito anos: quartel, aperfeiçoar-se em seguir ordens sem pensar; após toda a preparação: fábrica, produzir, trabalhar, ser lucrativo, ser eficiente.

Se ficarmos com a versão moderna: família/creche, primeiros anos de treinamento e adestramento; escola/faculdade, onde ao mesmo tempo se aprenderá um ofício e a melhor obedecer; escritório, momento de produzir, hora de ser alguém na vida, um membro útil de nossa sociedade. Caso alguma coisa dê errado: hospital, igreja, hospício, cadeia. Nada se perde, tudo se transforma.

A disciplina fabrica assim corpos submissos e exercitados, corpos ‘dóceis’. A disciplina aumenta as forças do corpo (em termos econômicos de utilidade) e diminui essas mesmas forças (em termos políticos de obediência) […] a coerção disciplinar estabelece no corpo o elo coercitivo entre uma aptidão aumentada e a dominação acentuada”

– Foucault, Vigiar e Punir

O poder separa o homem de si mesmo, afasta seu corpo de si mesmo e cria uma outra natureza que lhe sobrepõe, ou melhor, o substitui. Já não sabemos quem somos, sentimos que somos trabalhadores. Será? O poder não apenas reprime, e esta nem seria a parte mais importante, diz Foucault. Mais do que tudo, ele produz, ele cria corpos e mentes, exercita habilidades e ideias, capacita, conduz.

Isso se dá em várias esferas da sociedade, uma alimentando a outra, são linhas de força que entram em ressonância, não há um senhor rico e poderoso manipulando tudo, estão envolvidos políticos, padres, ricos, pobres, enfim, a sociedade como um conjunto de interesses e forças.

Enfim, os corpos dóceis são efeitos reais de uma sociedade disciplinar que produz indivíduos seriados. Ninguém escapa. A violência agora é à conta gotas, distribuída homeopaticamente ao longo da rotina. É tão sutil que percebemos apenas o barulho cinza dos carros, aparelhos eletrônicos e máquinas registradoras acompanhando o silêncio mórbido dos olhares mortos dos outros corpos dóceis.

Texto da Série:

Vigiar e Punir

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
21 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
AntimidiaBlog
7 anos atrás

Intenção ou consequência? Quanto tempo o corpo demorou para se tornar o que Foucault disse que ele é? Quem foi o grande arquiteto deste plano mirabolante?

Tiago
Tiago
Reply to  AntimidiaBlog
3 anos atrás

Não há um grande arquiteto, há práticas que estão intrinsecamente discursivas. Para Foucault não há um grande plano de continuidade e sim rompimentos, aonde as práticas sociais não estão dadas , o poder.

Rafael
7 anos atrás

perfeito o texto!
muito bem analisado, muto bem estruturado!
e eu,, leitor de foucault como já havia dito, concordo com cada palavra do autor!
parabéns!

fernando
fernando
Reply to  Rafael
7 anos atrás

e vc ser otario

Lua
Lua
7 anos atrás

Nenhum progresso na história da humanidade foi feito por jogar o jogo de operacionalidade e aderindo às regras impostas pelo status quo. Negar estas regras, ao negar as próprias palavras que as descrevem e silenciosamente as impõe, é um bom passo para a emancipação. 🙂

João Vaz
6 anos atrás

como posso me emancipar dessa força oculta descrita por Foucault se dela eu mesmo faço parte

Karoline Santos Gomes
6 anos atrás

Adorei seus textos! Tenho usado como referências para as minhas aulas!

Marcos Antônio
Marcos Antônio
5 anos atrás

Tava precisando, já já tem aula sobre esse texto. Foi um achado rs, valeu, belo texto!

Vera Lopes
Vera Lopes
4 anos atrás

E muito bom ler Foucault pois seus textos são bem analizados com palavras adequadas
Parabéns
Adoro ler

rubi ???? (@biagabr44)
4 anos atrás

ótimo texto!
fico pensando nas limitações das ideias de foucault para as leituras atuais, considerando toda a crítica decolonial, feminista, negra… por exemplo, no ultimo parágrafo, é impossível não perceber que o seu “nós” está referenciado em um grupo específico de pessoas, provavelmente branca e de classes média-alta. em vários lugares ainda há guerra. aqui mesmo, nas nossas cidades, há guerra, extermínio… concordo que a violência é a contra-gotas, mas me parece improdutivo dizer que “não escutamos o barulho ensrurdecedor de bombas”, sendo que elas ainda estão explodindo por aqui…

Julia Zlotek
Julia Zlotek
Reply to  rubi ???? (@biagabr44)
1 ano atrás

Concordo com você. Olha só o que o filósofo e sociólogo contemporâneo Lebrun diz sobre as ideias de Foucault: “Quando a questão é compreender como foi e continua sendo possível a resignação, quase ilimitada, dos homens perante os excessos do poder, não basta invocar as disciplinas e as mil fórmulas de adestramento que, como mostra Foucault, são achados relativamente recentes da modernidade. Sua origem e seu sucesso talvez se devam a um sentimento atávico dos deserdados, de serem por natureza excluídos do poder, estranhos a este – talvez derivem da convicção de que opor-se a ele seria loucura comparável a… Ler mais >

Dyogo Albert Oliveira Santos
Dyogo Albert Oliveira Santos
3 anos atrás

Olá, gostaria de saber qual o conceito ou como se define CORPO para Michel Foucault?

Janaínam Billengtari
Janaínam Billengtari
Reply to  Dyogo Albert Oliveira Santos
2 anos atrás

Um corpo que não tem dicotomia entre corpo e mente, muito próximo do que seria uma definição de sujeito. Um corpo que tem memórias, habilidades perceptivas, críticas, que produz conhecimento e conceitos, que é fisiológico, mas também cultural e político.

Mozart
Mozart
2 anos atrás

A disciplina está na base do processo civilizatório. sem disciplina seríamos selvagens.

Tatiana
Tatiana
Reply to  Mozart
2 anos atrás

O conceito filosófico de sociedades disciplinares e de disciplina como dispositivo de controle é um pouco diferente daquilo que se conhece no senso comum. Vale a pena conhecer um pouco mais para refletir melhor sobre o assunto.

Janaínam Billengtari
Janaínam Billengtari
Reply to  Tatiana
2 anos atrás

Sim! Disciplina mais como compartimentação de um saber, um recorte utilizado como dispositivo de controle para um obter um resultado pré-definido. Não estamos falando de leis, acordos, regras, combinados, isso faz parte dos processos de produção das civilizações, não as disciplinas em si.