Skip to main content

Carrinho

Close Cart

Através dos estudos de Foucault, observamos que ao falar da loucura, ela foi deixada de fora. Ela permanece calada enquanto falamos em seu nome. O Réu não pode se pronunciar. Fazemos apenas uma fofoca da loucura e silenciamos em sua presença.

No fim das contas, o que vimos é que a loucura foi capturada. Suas forças foram engolidas pela razão, seu modo de funcionamento foi tomado, conquistado por outro. 

A loucura é Dionísio que faz Platão tremer. A loucura é o movimento que resiste à dialética que tudo arrasta. Com Pinel e a psiquiatria, a loucura se tornou uma verdade menor, que deve ser abolida através de métodos de cura.

Tudo isso nos faz pensar que a loucura é como um estágio precoce da civilização, uma rebeldia dentro da totalidade ordenada. Afinal, só se torna louco aquele que abriga um conflito interno. E a saúde será organizar estes impulsos. 

Por isso Foucault considera a Loucura como “Ausência de Obra”. Ela é o outro lado da sociedade, seu lado errante! A força centrífuga que desordena a força social centrípeta. Ela é a força anômala (sem nomos), o movimento do esquizo (rompimento/divisão), a potência de diferenciação (quebra da identidade). A loucura mostra que tudo aquilo que a civilização quer construir é falso, tem pés de barro. 

A loucura é a negação da dialética, do progresso, da acumulação, da continuação. Ela é o questionamento de uma razão teleológica. Sim, e é exatamente por isso que Foucault se interessa pela loucura, por suas descontinuidades, suas possibilidades de pensar diferente.

Para dizer com os poetas, a loucura é um grande “Eu preferiria não”, é a recusa da obra, é a im-produção, é o processo de desacumulação.

‘Vem por aqui’ — dizem-me alguns com os olhos doces
Estendendo-me os braços, e seguros
De que seria bom que eu os ouvisse
Quando me dizem: ‘vem por aqui!’
Eu olho-os com olhos lassos,
(Há, nos olhos meus, ironias e cansaços)
E cruzo os braços,
E nunca vou por ali…

Cântico Negro – José Régio

John Collier – Priestess of Delphi

Negar qualquer forma de totalização, qualquer forma de totalidade, é a diferença que ganha autonomia, uma nova direção, uma aparência monstruosa. Se a loucura é a Clausura do Fora, ela também pode ser, pelo seu processo de recusa, um Fora da Clausura.

E aqui Foucault apela para a literatura, pois nosso discurso simplesmente não dispõe dos recursos necessários para expressar estas ideias. O Fora da Clausura que a loucura busca é uma nova maneira de pensar e de falar. 

É uma tentativa de pensar na extremidade de nosso próprio saber, no limite que separa nosso saber e nossa ignorância. É um constante se perguntar: onde vai dar este caminho? Vou percorrê-lo para descobrir. 

Poderíamos dizer: “A loucura existe porque a vida racional cotidiana não é o bastante. Há algo a mais, possibilidades a mais, caminhos que desconhecemos.”

Ou seja, aqui não nos preocupamos mais em definir “o que é a loucura”. Não conseguiríamos e nem é mais necessário! Queremos ir além do racional! E a poesia nos abre para a possibilidade de dizermos mais coisas, e assim não dizer o que está sendo dito.

Estuda-se o perigo da loucura para a sociedade, mas não se estuda os perigos da sociedade para a loucura! Ou seja, não se olha para esta abertura do pensamento, esta força que empurra para outro campo, para além do campo constituído pela razão!

Se a loucura psiquiátrica é efeito de poderes enunciativos, se ela é um fechamento, uma limitação do campo do possível, a arte e  loucura filosófica nos abrem uma linha de fuga, uma abertura para novos modos de pensamento!

Agora entendemos porque trancar loucos com blasfemadores, libertinos, gastadores, vagabundos, adivinhos e etc. A loucura é sempre uma nova possibilidade de viver! Só a chamaremos de doença mental quando ela naufragar, ou quando ela for covardemente afundada por uma razão ditadora. Antes disso acontecer a chamaremos de diferença, de O Fora!

Em suma, depois deste longo trajeto podemos dizer que a loucura não possui um denominador comum! Ela é muitas coisas! E pode ser ainda mais, se a deixarmos seguir seus caminhos em paz. Enfim, se neste longo trajeto, não encontramos a loucura em si mesma, não tem problema, porque certamente vimos que nela havia mais do que pensávamos!

Texto da Série:

Foucault – História da Loucura

Curso Online baseado nesta série

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
1 Comentário
Inline Feedbacks
View all comments
Júlio Miranda
Júlio Miranda
13 dias atrás

Muuuuito bom meeesmo! Parabéns pelo “lúcido” texto!!!