O carcerário nasce quando abandonamos a prática de punir pela prática de vigiar. Não precisamos mais do carrasco encapuzado pronto para torturar sua vítima em um evento espetacular, o carcerário está agora presente para impedir que isso aconteça. Tiramos o capuz e encontramos o pai de família, o capitão do exército, o chefe da oficina, o psicólogo, o diretor da escola, o bedel, o bispo da igreja, o policial, o juiz da corte. Por todos os lados é possível encontrar, encarnado, a personificação do carcerário. A carapuça serve e muito bem em todas estas figuras.

O carcerário é como que o responsável pela esteira rolante de uma fábrica. A roda não pode parar de girar, há pressa, promessas, demandas, pedidos, pendências. Todo cuidado é pouco. A inserção do cárcere na sociedade explica e justifica sua presença para o bom funcionamento e bom andamento do cotidiano. Enquanto se produz, se ensina a produzir mais e melhor; enquanto se vigia, aprende-se a vigiar com mais eficiência. Tudo no lugar para maximizar lucros e condutas. Um parafuso apertado para não quebrar a esteira de produção e um olhar cerrado em cima do operário para evitar conversar paralelas e a preguiça. O nascimento das ciências humanas está próximo da cabine dos vigias de fábrica, dos bedéis de colégio, do divã dos psicanalistas.

O carcerário é o representante de toda uma nova forma de pensar, produzir e agir. Mentes e corpos são tomados pelo poder, constantemente afinados, regulados e medidos. O carcerário de hoje é o vigiado de amanhã, basta cruzar a rua, virar a esquina, tirar o uniforme. O jogo de polícia e ladrão nunca foi tão confuso. Não há mais lado de fora, todos estão neste jogo, o indivíduo sempre está enquadrado, de um jeito o de outro, na lei e na disciplina, seja batendo o ponto ao chegar no trabalho ou pegando o metrô no fim do dia.

foucault1Desta forma, nos acostumamos. Nossa subjetividade moderna, e em crise, é a do Securitizado (veja aqui). Eles coletam todas as nossas atividades no facebook e no celular? Tudo bem… Não conseguimos andar mais de 4 quarteirões sem sermos filmados por câmeras de segurança? Fazer o quê…. Nosso cpf e cartão do banco podem ser rastreados aonde quer que estejamos? É a vida…

Afundamos cada vez mais em instituições de vigilância sem perceber. Assinamos o termos de consentimento sem ter tempo disponível para lê-lo. O indivíduo acostuma-se com a punição, a observação, a sanção, a reprovação. A prisão apenas continua um processo de disciplinarização que começou muito antes. Somos jogados em uma panela quente em que a temperatura é gradualmente aumentada, cozinhamos sem entender o que se passa. Somos acostumados à punição (noticiários, desenhos, relações).

O indivíduo penalizável, punível, não é mais aquele que foge ao poder, mas aquele que é cada vez mais tragado para dentro da máquina carcerária que se ergueu em torno da produção e regulação da vida. A criminalidade não vem de fora, ela não invade o sistema coeso e ordenado, ela é fruto da “inserção cada vez mais rigorosa, debaixo de vigilância cada vez mais insistentes, por uma acumulação de coerções disciplinares” (Foucault, Vigiar e Punir, p. 285). Passa-se do berçário à prisão gradualmente, quase que imperceptivelmente o próprio berçário já reproduz sua lógica…

Entre a última das instituições de ‘adestramento’ onde a pessoa é recolhida para evitar a prisão, e a prisão onde ela é enviada depois de uma infração caracterizada, a diferença é mal e mal perceptível (e deve ser)” – Foucault, Vigiar e Punir, p. 286

colfou1Resultado: observação perpétua, o olho de deus, a torre vigia, o Panóptico estão sempre atentos. julgamento perpétuo: tabela de produtividade, lista de atividades, inventários, relatórios, prontuários, notas. O carcerário exerce o papel de sujeição; desta forma, nasce o próprio sujeito sujeitado. Mergulhados no arquipélago carcerário somos constantemente medidos, cutucados, questionados, investigados. Esta relação entre o poder e a individualidade é a constituição de um saber-poder que constrange reiteradamente os corpos.

Como escapar? Como fugir? Cabe a nós, utilizando uma outra razão (com certeza inadequada para os parâmetros dos carcerários) quebrar com estes muros e discursos. A figura em crise do securitizado nos dá boas alternativas. A crise é nossa chance de encontrar alternativas. Se é impossível enfrentar o poder que nós mesmos criamos então precisamos, criativamente, passar por baixo, desviar, inventar desencontros, encontrar fissuras. O macro-muro carcerário possui fissuras que só singularidades ativas podem perfurar, o olhar do poder possui pontos cegos onde nós podemos realizar encontros.

Criar agenciamentos e ir até o limite. Implantar o lado de fora dentro da instituição. Comportar-se como um Cavalo de Troia. Toda uma nova subjetividade nasce através de encontros que desfazem os corpos dóceis! Pode ser um livro, um amigo, uma situação de injustiça. As ocupações se ocupam disso constantemente. A margem é sempre o lugar onde o novo nasce, neste sentido, podemos nos reunir na praça central, embaixo do MASP, e mesmo assim seremos a margem invadindo e transformado um modo de vida passivo e engessado.

> Este texto faz parte da série “Vigiar e Punir” <

PRISONS.

Escrito por Rafael Trindade

Artesão de mim, habito a superfície da pele.

3 comentários

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s