Skip to main content

Carrinho

Close Cart

O cinismo é a forma de filosofia que não cessa de colocar a questão: qual pode ser a forma de vida que seja tal que pratique o dizer-a-verdade?”

– Foucault, Coragem da Verdade, p. 206

Nunca a verdade foi tão procurada! Nunca a verdade foi tão valiosa! Nunca a verdade foi tão perigosa! Mas afinal, onde está a verdade? Não estamos falando de uma Ditadura da Verdade, que se impõe, se aplica sem questionar, se estabelece sem pedir licença. Para nós a verdade não se dá na forma de ditadura. Nossa verdade é inadequada!

A partir do instante em que a filosofia não é capaz de viver o que ela diz senão de modo hipócrita, é preciso insolência para dizer o que se vive. Numa cultura em que os idealismos empedernidos fazem da mentira a forma de vida, o processo da verdade depende da existência de pessoas suficientemente agressivas e livres (‘descaradas’) para dizer a verdade”

– Peter Sloterdijk – Crítica da Razão Cínica, p. 155

A fala carrega nossa hipocrisia. Nossos gestos estão afastados do que somos. Este é o problema: teoria versus prática. É mais fácil para nós, falar do que fazer. Somos quem somos ou dizemos que somos? Não acreditamos nos outros, mas… e em nós mesmos? Acreditamos ter a verdade… mas e a coragem da verdade?

Diógenes de Sínope foi um dos poucos que pode se orgulhar de praticar a parrhesía, do grego: fala franca, fala reta. Um dos grandes nomes do cinismo, escola socrática menor, Diógenes se orgulhava de vomitar a verdade na cara de quem fosse, rei ou escravo, dizer tudo que acreditava para quem lhe cruzasse o caminho, sem rodeios. A razão cínica não e a mesma dos homens comuns. Tal como Sócrates, a parresía de Diógenes gerava muitas vezes desconforto maior que um tapa na cara ou uma escarrada no chão. Os cínicos eram encarregados de denunciar toda a falta de sentido da vida ateniense.

Frequentemente só trazemos a verdade à tona sob o preço da indocilidade”

– Peter Sloterdijk – Crítica da Razão Cínica, p. 203

Mas o que dava o direito do filósofo cão fazer isso? Diógenes não tinha nada, vivia na rua, mendigava por comida, dormia em um tonel. Seus únicos pertences eram um cajado, uma bolsa e um manto e por vezes um companheiro canino. Por isso, e exatamente por isso, ele podia ser quem era, podia viver uma vida não dissimulada, sem esconder nada de ninguém. Os cínicos, e consequentemente Diógenes de Sínope, tinham o privilégio de chamar as coisas pelo seu verdadeiro nome. O parresiasta era aquele que unia mente e corpo, teoria e prática, fala e existência.

O homem de manto curto, barba hirsuta, pés descalços e sujos, com a mochila, o cajado, e que está ali, nas esquinas, nas praças públicas, na porta dos templos, interpelando as pessoas para lhes dizer algumas verdades”

– Foucault, Coragem da Verdade, p. 171

A parresía é consequência de um modo de vida, de uma ascese (exercício) que permitia a capacidade de viver conforme seus preceitos. Uma existência determinada é a condição para a fala reta: desavergonhada, na pobreza, em militância, conforme a natureza. Uma maneira de se conduzir, uma maneira de se portar, de viver. O Cinismo é muito mais uma prática que uma filosofia (por isso, talvez, ela é tão superior a várias filosofias). O Cínico, através de seu modo de vida, faz de sua própria existência o suporte para a verdade, colar filosofia na existência, tornando-as uma só. Isto lhe permite expressá-la francamente aos outros.

A vida como presença imediata, brilhante e selvagem da verdade, é isso que é manifestado no cinismo. […] A verdadeira vida como vida de verdade. Exercer em sua vida e por sua vida o escândalo da verdade, é isso que foi praticado pelo cinismo”

– Foucault, A Coragem da Verdade, p. 152

Diógenes e Alexandre, por Edwin Henry

Alguns chamariam de sincericídio. Mas nós perguntamos, não estaria mais para sincerigênese? Ora, a verdade é criadora, alguns dizem até que ela liberta, ela é uma potência que se afirma (e sabemos que a potência está para além do bem e do mal). Nietzsche já havia perguntado: quanta verdade um homem suporta? “O silêncio é pior. As verdades que calamos tornam-se venenosas” (Nietzsche, Assim Falou Zaratustra). Pois é, mas os atenienses (e nós), não suportavam muita parresía. A fala de Diógenes, nas praças, nos mercados, na Ágora, muitas vezes gerava escândalo.

A forma de vida é a condição do dizer a verdade. Sua verdade toma forma em seus gestos, em seu corpo, então na maneira de se vestir e, por fim, de falar. Sua fala carrega consigo a verdade em sua forma bruta, material, explícita. “Olhem para mim, eu sou isso, não há distância entre mim e eu mesmo“. Sua existência prova sua palavra.

O cínico é portanto como a estátua visível da verdade […] o próprio ser do verdadeiro, tornado visível através do corpo”

– Foucault, Coragem da Verdade, p. 274

Não é a coragem política da verdade, Diógenes desacreditava em todo e qualquer estado, desdenhava de todos os políticos, inclusive de Alexandre, o Grande, mais poderoso chefe militar da época. Diógenes também não estava se referindo a uma forma de ironia socrática, sua verdade se manifestava na forma de rejeição, desprezo, tumultos, atuações performáticas. O Cinismo, particularmente com Diógenes, se expressa como o mais absoluto comprometimento de viver conforme o que se diz. Nisto retorna a verdade como prova da mais absoluta verdade no viver. Foucault estava certo: a capacidade de parresía define um bom filósofo.

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
11 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
ANA MARIA OLIVEIRA DE MORAES
ANA MARIA OLIVEIRA DE MORAES
5 anos atrás

É preciso coragem e uma dose de loucura….!!!!!!!!!!!!! Bacana!!!!!!!!!!!!!!!!

Reginaldo Oliveira de Jesus
Reginaldo Oliveira de Jesus
5 anos atrás

E quando existe cursos universitário que ensina mentir (curso de propaganda e marketing).

AntimidiaBlog
5 anos atrás

Ficou legal esta formatação com os olhos e bastante figuras grandes…….deu uma leveza para a leitura…….boa ideia!

Rael
Rael
5 anos atrás

Esse formato em comentários deu uma nova abrangência a leitura! Muito bom!

Marco Bernardino
5 anos atrás

Uma reflexão provocativa sobre a verdade e o cinismo. A citação que você fez de Peter Sloterdijk, em especial, foi a frase que ficou em minha cabeça, incomodando com a seguinte pergunta: afinal, em que cultura seria possível a verdade ser praticada com suavidade e sem conflitos? Em que cultura não se encontram “idealismos empedernidos”? Abraço.

Pedro Rento
Reply to  Marco Bernardino
4 anos atrás

A verdade nunca pode ser praticada de forma suave, tal é ela, em si mesma, brutalidade. Em última instância, a suavidade é inimiga da verdade. Relativamente à segunda parte, a sua questão é paradoxal, uma vez que a própria cultura, por definição, seja ela qual for, é já um idealismo/fundamentalismo sobre algo. Dessa forma, talvez poderemos dizer que a vivência última (utopicamente falando) é aquela que se liberta de toda e qualquer cultura.

Branca Eloysa
5 anos atrás

No longo caminho já percorrido os corajosos são rotulados loucos. Nunca me esqueci de um jantar acontecido um dia depois do terrível assassinato de CHE GUEVARA e um dos membros fez um brinde à morte de um insensato.A maioria brindou e o silêncio da minoria foi vergonhoso. Ainda me lembro do constrangimento geral.

ygor
ygor
3 anos atrás

Oi crush

Sindia
Sindia
1 ano atrás

Ah, pó, queria mais informação. Muito rapidinho. Mas de modo geral, gosto muito dos textos de vocês. O blog eh muito cheio de informações e bons agenciamentos teóricos. Muito grata.

Blenda Oliveira
Blenda Oliveira
1 ano atrás

Muito bom o texto!

Thadeu Ximenes
Thadeu Ximenes
1 ano atrás

O texto muito bom, de maneira geral. Só que não produz nenhuma dinâmica nova de interpretação, e, Eu diria, que estaria bem próximo de resenhas sendo que isto não lhes retira o valor retórico da apresentação. Obrigado