Skip to main content

Carrinho

Close Cart

Para a esquerda ter um sentido de existência, ela não deve ter medo de dizer seu nome”

– Vladimir Safatle, Só Mais Um Esforço, p. 38

Antes de mais nada, diremos o que não queremos! Não queremos uma reedição da esquerda conciliatória, que tem medo de introduzir temas políticos complicados, que são deliberadamente jogados para debaixo do tapete. A esquerda precisa reatualizar sua prática de enfrentamento refundando sua capacidade de pensar e agir. Sua recuperação passa pela radicalização de suas ideias centrais, que são inegociáveis, através da atuação política direta. Mas afinal, o que a esquerda quer?

3 pontos

  • Igualdade Radical: busca pelas mesmas condições civis, econômicas, políticas e sociais que ofereçam as mesmas possibilidades de crescimento, expressão e singularização para cada um. Todos são iguais, ninguém é melhor que ninguém, não pode haver qualquer privilégio possível e aceitável. Ninguém está acima de ninguém;
  • Indiferença às Diferenças: todo esforço da esquerda é para que as diferenças se multipliquem sem criar privilégios e hierarquias. Lada a lado todos são diferentes. A indiferença às diferenças significa hospitalidade incondicional, a capacidade de expressão livre e individual de cada um no meio em que vive. A chance de agir e pensar de modo único, natural e livre;
  • Soberania Popular: luta contra toda e qualquer casta tecnocrática, de esquerda e de direita. Para a esquerda, não há poder salvador, apenas poder do povo. Isso significa esvaziamento progressivo do Poder Legislativo e do Poder Executivo em prol de mecanismos de democracia direta, onde a população faça parte das decisões que lhe dizem respeito.

Uma esquerda que não tem medo de dizer seu nome deve falar com clareza que sua agenda consiste em superar a democracia parlamentar pela pulverização de mecanismos de poder de participação popular direta”

– Vladimir Safatle, A Esquerda Que Não Teme Dizer Seu Nome, p. 51

A prática da esquerda precisa ser condizente com os desafios enfrentados. Ela tem em uma mão a luta por igualdade e na outra a luta pela singularidade, fazendo isso através da participação popular. O tamanho das lutas define a profundidade e radicalidade das pautas. Sendo assim, chegamos nos temas políticos que não podem mais ser colocados à parte em nome de uma suposta governabilidade.

Temas políticos Inadiáveis:

  • Democracia Direta – Esvaziamento progressivo do Legislativo e do Executivo, em busca de um poder verdadeiramente do povo;
  • Igualdade Popular: Todos podem participar, todos devem ser capazes de expressarem-se politicamente e apropriarem-se das decisões de seu país, cidade, bairro;
  • Justiça Tributária Radical: para por fim às desigualdades econômicas, os mais afortunados devem dar mais, enquanto os menos afortunados podem dar menos.
  • Gestão coletiva dos recursos públicos: quem paga a banda escolhe a música. Se é o povo quem paga os imposto, a maneira como ele será gasto é de decisão pública;
  • Aparelhos Produtivos Geridos pelos Trabalhadores: acabar com as hierarquias em prol de decisões coletivas e horizontais, em prol dos trabalhadores e não por empresários multimilionários;
  • Renda mínima e renda máxima: não apenas uma renda mínima é necessária para garantir direitos, mas também uma renda máxima, para que poucos não tenham muito e muitos não tenham pouco;
  • Restrição da Propriedade Privada: a gestão coletiva dos bens públicos deve garantir Propriedade Privada a todos, isso significa que poucos não poderão ter tanto assim.

Excesso e Status Quo

A esquerda só funciona por meio dos excessos, ou seja, indo além de si e do status quo. Ela age defendendo pautas radicais e não negociando o inegociável. Queremos ir para além do campo do instituído. A luta é exatamente para isso! Fazer o que ainda não podemos, criar o que ainda não somos. A política de esquerda toma uma direção arriscada: desafia o instituído, e abre campo para o novo.

Muitos acusarão: utopia. Outros dirão: impossível. Mas não podemos esquecer que a política é exatamente isso: a busca por novos modos de vida. Vidas que querem se manifestar e expressar plenamente no meio em que vivem, vidas que não suportam mais esta maneira de viver. A esquerda não luta pelo que está posto, ela quer exatamente o contrário, busca o que ainda não existe, mas que percorre cotidianamente o nosso imaginário: trata-se da crença um tanto louca de que é possível viver de outra forma.

Desejo Revolucionário

Apenas a esquerda é verdadeiramente revolucionária, pois luta pelo que ainda não existe! É o próprio desejo de nos deixarmos para trás que nos anima. Nossa carcaça, nossa vida pequena, nossa existência miserável, nosso desejo bloqueado, capturado, axiomatizado. Nós estamos cansados deste presente, desta realidade. Se ninguém mais acredita em nossos tempos então é preciso fazer alguma coisa. Mas não somos saudosistas, queremos seguir em frente. Estamos inquietos!

A esquerda deve saber encarnar a urgência daqueles que sentem mais claramente o sofrimento social advindo da precariedade do trabalho, da pauperização e das múltiplas formas de exclusão […] a esquerda deve mostrar que é capaz de governar sem produzir novas modalidades de sofrimento e insegurança social […] ou seja, ela deve ser, ao mesmo tempo, capaz de sentir o sofrimento social e capaz de ter a inteligência técnica para resolvê-lo no cotidiano”

– Vladimir Safatle, A Esquerda Que Não Teme Dizer Seu Nome, p. 17

Conclusão

O que a esquerda quer? Ora, acho que já podemos responder com certa convicção: 1) Enfrentar a desigualdade, diferenças civis, econômicas, políticas e sociais que geram exclusão e sofrimento existencial para a maioria esmagadora da população; 2) não abrir mão da singularidade, diferenças no modo de vida e expressão singular de cada um. Que as diferenças sejam capazes de se articular sem hierarquia. Que as diferenças não gerem ordenações verticais, mediadas. Igualdade coletiva, singularidade garantida e soberania plena.

A esquerda é absolutamente contra as diferenças econômicas, porque isso na verdade é desigualdade, que gera, por sua vez, discriminação e separação. A esquerda é absolutamente contra as homogeneidade identitária, porque isso se chama uniformidade e monotonia. Temos em uma mão a luta por igualdade e na outra a defesa das singularidades. Na primeira, há igualitarismo e soberania popular, a segunda se expressa como uma consequência natural, como o estrondo do trovão segue naturalmente a luminosidade do raio.

Texto da Série:

O que a Esquerda quer?

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
6 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Welton
Welton
2 anos atrás

Nunca vi um texto tão incongruente e desprezível como este!! Já que és um admirador de Nietzsche deveria lê mais sobre as posições politicas do “13” antes de defender uma ideologia tão utópica e hipócrita como está “amiguinho”…

João Inaudito
João Inaudito
Reply to  Welton
1 ano atrás

O “13” tem uma postura socialista, mas agil na sua governabilidade como um neoliberal( social democrata), coisa que a estrama-direira se recusa a fazer sempre valorizando a diferença e o uso da pobreza como meio de perpétua – se no poder. Nietzsche não é pra ser adorado nem era um profeta e sim criador de valores . Não podemos ser ortodóxio na filosofia, todo conhecimento é um acréscimo. Nietzsche tendo pegado a exploração das fábricas e da guerra, do seculo XX, com certeza criaria novas interpretações do que lhes afetaria. Como dizia Raul: “Sonho que se sonha só, é só… Ler mais >

João Inaudito
João Inaudito
Reply to  João Inaudito
1 ano atrás

*estrema-direita

Flavio Lanzarini
Flavio Lanzarini
Reply to  Welton
11 meses atrás

Welton, Embora não saiba se faça sentido eu te responder 1 ano após o teu comentário, o faço por respeitar o ideal dialógico, democrático, que impõe que toda fala tenha o direito ao contraditório. Repara, estou afirmando que a tua fala tem o direito de ser contraditada e não, o que se costuma veicular, que o direito do contraditório seria meu, ou seja, de quem é teu interlocutor. O que estou a escrever pode te parecer “incongruente”, posto que seja o inverso do senso comum, mas isso não significa que minha fala seja, de fato, “desprezível” como talvez também a… Ler mais >

Ana Paula
Ana Paula
1 ano atrás

Sua escrita é um deleite. Didática, pedagógica, simples, direta. Genial!

Francisco Alexsandro Soares Alves
Francisco Alexsandro Soares Alves
8 meses atrás

Quero deixar um recado aqui. Na sua página sobre Nietzsche você afirma que Vontade de Poder é uma falsificação da irmã do pensador. Não é. A edição da Contraponto fala bem sobre isso. Elizabeth não falsificou nada. Nietzsche é contra o comunismo, é contra a igualdade, é contra o feminismo, tudo isso, junto com o cristianismo, o pensador denomina de Moral dos Escravos. Nietzsche é contra a igualdade e a favor da aristocracia! Nietzsche sempre odiou o comunismo e a esquerda A esquerda falsificou Nietzsche, sobretudo através de esquizos como Deleuze e Gatarri. Uma dupla de drogados que não fala… Ler mais >