O corpo sob a pele é uma fábrica superaquecida,
e por fora,
o doente brilha,
reluz,
em todos os seus poros,
estourados”
– Antonin Artaud

Somos máquinas desejantes, não no sentido metafórico, literalmente. Máquinas acopladas a outras máquinas, máquinas produzindo conexões, máquinas passando fluxos. Tudo em nós cria, faz, corta, torce, processa, produz… Nosso corpo é uma usina. É assim que Deleuze e Guattari definem o ser humano em “O Anti-Édipo”. Suas críticas à psicanálise vão longe, neste texto abordaremos o conceito de máquinas desejantes e o inconsciente produtivo.

Tudo para Deleuze é produção, constante movimento. Nós também somos este fluxo material: átomos se juntando e se separando, formando moléculas que se sobrepõe, decompõe, justapõe. O movimento é sempre de expansão, sempre algo passando por cima de algo, sempre alguma coisa engolindo outra. Confuso? Pois é assim mesmo que Deleuze quer, as máquinas desejantes são uma multiplicidade pura que nega a identidade.

Estas partículas se juntam para formar coisas, elas adquirem uma determinada ordem que possui a capacidade de manter-se. E aqui é onde nós nos encontramos: a organização das máquinas desejantes cria o organismo (e o corpo é uma máquina dentro de uma máquina social). As células são máquinas microscópicas, os dentes são máquinas de morder, o olho é uma máquina de ver, o estômago é uma máquina de digerir, o pênis é uma máquina de fecundação, o útero é uma máquina de fazer bebês.

Picture-9

Estas máquinas acoplam-se umas às outras em sistemas binários formando regimes associativos: junto-separado, corte-fluxo, enche-esvazia. Produção de produção. Sempre em movimento, sempre movimentando e sendo movimentadas por máquinas menores e maiores. Produção sem lógica, sem nexo, sem finalidade. Homem e terno e celular e carro caro se tornam máquina alto executivo. Mulher e megafone e cartaz e tinta na cara se torna máquina feminista. Criança e espada de plástico e cavalo de brinquedo e máscara vira máquina super-herói. Sempre uma coisa e outra coisa, sempre “e… e… e…”.

O que define precisamente as máquinas desejantes é o seu poder de conexão ao infinito, em todos os sentidos e em todas as direções” – Deleuze & Guattari, O Anti-Édipo.

Esta produção é também o que define nosso inconsciente: uma usina, uma metalúrgica operando na máxima capacidade (a natureza não economiza). “O inconsciente produz. Não para de produzir. Funciona como uma fábrica” (Deleuze, Abecedário). Somos fruto dessa produção desenfreada. O desejo se cria, se faz, se expande e nós sentimos isso em nós, zunindo, rangendo. E quando o desejo cresce e transborda, ele cria, e toda criação acontece no real (porque não há nada além da realidade). Não há negatividade na natureza; como ela existe, ela parte sempre de um ponto maior que zero. Por isso não falta nada ao desejo: todo desejo é produção de realidade.

Nesta oficina se processa toda a produção inconsciente que nos atravessa, podemos sentir o desejo a fluir por nossos poros e ultrapassar nossa pele. O inconsciente produtivo se utiliza da matéria para sua criação. Mas quando o inconsciente é impedido de produzir, ou quando o desejo não pode expandir-se, ele rebate e volta-se para dentro de nós, abrindo um buraco que passamos a definir como falta (ver Deleuze e o Desejo).

O inconsciente produtivo não é um palco onde se interpreta uma peça de teatro grego, não interiorizamos nada porque não há interior, existem apenas fluxos, máquinas dispostas em determinadas ordens. O inconsciente não repete indefinidamente uma peça de teatro porque na verdade é uma usina atômica. Ele explode e podemos ouvir o estrondo nos atravessar e ecoar pelo espaço ao nosso redor. Esta produção desejante é completamente anedipiana, ela resiste ao Édipo (veja aqui).

Ninguém nos pergunta “quais são suas máquinas desejantes?”, ninguém quer saber como você está organizado, querem logo te encaixar em algum lugar. Nossas máquinas desejantes são organizadas pela máquina social. O padre diz que você é filho de Deus, o psicanalista te convida a se deitar no divã. A fantástica usina fica então reduzida a um “sujo segredinho familiar”: papai-mamãe-filhinho. Toda produção desejante é esmagada por Édipo e suas interpretações. O desejo não quer ser interpretado, ele quer criar, quer expandir-se.

Nós somos máquinas desejantes movidas por um inconsciente produtivo, façamos jus à definição! Enquanto formos organizados por máquinas sociais, nossa produção se perderá indefinidamente ou estará diretamente ligada a meios externos que não nos convém. Máquinas gregárias ao invés de máquinas nômades. Primeira tarefa positiva da esquizoanálise: descobrir suas próprias máquinas desejantes. Não interpretar, mas experimentar! Esta é a condição essencial para as produções se transformarem em intensidades. Produção a serviço da improdução (ver Corpo sem Órgãos). Só assim é possível passar de máquinas entorpecidas para máquinas revolucionárias.

Se não se montar uma máquina revolucionária capaz de se fazer cargo do desejo e dos fenômenos de desejo, o desejo continuará sendo manipulado pelas forças de opressão e repressão, ameaçando, mesmo por dentro, as máquinas revolucionárias” – Deleuze, Conversações.

O fogo, de Giuseppe Arcimboldo, 1956.
O fogo, de Giuseppe Arcimboldo, 1956.

> Este texto faz parte da série Esquizoanálise <

Escrito por Rafael Trindade

Artesão de mim, habito a superfície da pele, atento para o que entra e sai.

22 comentários

  1. Oi Rafael! Sou estudante de Letras e estou fazendo um TCC sobre a Loucura em Dostoiévski e achei seu site fenomenal. Estou no meio da leitura do livro Anti-Édipo e suas colocações no site foram esclarecedoras e estão me auxiliando bastante. Obrigada!

    Curtir

    1. Loucura em Dostoiévski???? Me manda quando terminar!! ahahahah…
      O que mais você está lendo para fazer o trabalho? Com certeza o Anti-Édipo lhe será muito útil, mas é meio complicado. Vou tentar fazer uma resenha sobre ele para terminar a série de esquizoanálise aqui no blog. Pode ser que ajude!

      Curtir

      1. Justamente…. Eu e minha parceira de TCC estamos “pirando” para fazer essa leitura do Anti-Édipo!!! Se você puder fazer essa resenha irá nos ajudar muito. Por enquanto estamos em Foulcault e Deleuze, além de Bakhtin. Assim que formos estruturando melhor o trabalho podemos conversar sobre! Obrigada Rafael

        Curtir

          1. Também leremos os livros ”Lógica do Sentido” , “FOUCAULT” do Gilles Deleuze e “Microfísica do Poder” do Foucault (dentre outros), pois o primeiro capítulo do nosso TCC será sobre a loucura. Depois iremos identificar como a loucura é construída dentro da obra Os irmãos Karamazov.

            Curtir

            1. Legal! manda ai pra gente ler! Dependendo de como for a gente pode até publicar aqui alguma parte (acho que não cabe inteiro)!

              Curtir

  2. Oi Pessoal. O pensamento de Deleuze&Guattari é esta máquina de guerra que movimente: criando paixões ou ressentimentos tamanhos… nunca se sabe como alguém de, fato, irá le-los.
    Gostaria de ressaltar algo que me põe a pesar nesta filosofia e não em outra: a relação. A contribuição desses dois muito potencializa o pensar que impossibilita a distinção sujeito-objeto, socio-individuo, constituição de um no outro e outro e outro e…
    Talvez mais que vítimas de um sistema qualquer, nós enquanto somos também responsáveis pelo que nos é mais externo.

    Curtir

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s