Queres buscar o caminho para ti mesmo? Detém-te um pouco mais e me escuta” – Nietzsche, Assim Falou Zaratustra

Que caminho deve seguir aqueles que querem criar? Zaratustra nos dá o primeiro conselho para aquele que quer conquistar a liberdade: não pule degraus. O caminho do criador se faz etapa por etapa, num esforço contínuo. Não é feito largando tudo, mas aprendendo a extrair a força de sua dor e sua solidão.

Quanto mais quer alcançar as alturas e a claridade, tanto mais suas raízes se inclinam para a terra, para baixo, penetram na escuridão, na profundeza – no mal” – Nietzsche, Assim Falou Zaratustra

As pessoas estão ausentes de si mesmas, porque nunca se procuraram. Não admira, tudo lhes foi dado, e hoje acreditam na ficção do que são. Quantos presentes não nos ofereceram e que nos escravizaram? Quantas preces não repetimos, e que não são nossas? Vivemos no tempo em que lobos são capturados por ovelhas, pois as águas do ressentimento perfuram até o mais duro rochedo.

14137-gf
Capa da edição francesa

Mas nós já sabemos o caminho para a liberdade: a criação. O árduo caminho que o homem deve percorrer é o de criar a si mesmo, deixando para trás a carcaça daquilo que fizeram dele. Mas o rebanho ainda fala naquele que se isola para criar “é perigoso, você vai se perder”. O rebanho o acompanha em seus pensamentos.

As vozes da gregariedade atormentam aquele que quer voar, o seguram, o puxam, para que não suba mais. A culpa ainda ecoa na consciência daquele que se descolou da ovelhas, tão inocentes, seguindo seu pastor. Como o homem se transforma de ovelha em águia? Por sua própria Vontade de Potência! Quebrando o “tu deves” que o camelo carregava e se tornando leão (veja aqui).

Você é um estranho entre eles, um pária, lhe pagam com desprezo quando descobrem a inevitável partida. “‘Como poderíes ser justos comigo?’ – tens que dizer – ‘escolho vossa injustiça como a parte que me coube'”. Porque esta é a sina daqueles que criam para além de si mesmos. Enquanto a maioria se perde na rotina, na monotonia, no comum, o criador faz de si próprio um bloco de pedra, e esculpe a si mesmo com cinzel e martelo.

Ó solitário, tu percorres o caminho daquele que cria: queres criar para ti um deus, a partir dos teus sete demônios!” – Nietzsche, Assim Falou Zaratustra

A dor é grande, mas só cresce aquele que perde a auto-piedade: “tens de querer queimar em tua própria chama: como te renovarias, se antes não o tornasses cinzas?“. É preciso querer ir para além de si mesmo, usar esta forma velha como combustível para queimar e levá-lo adiante. E fazer festa com as cinzas! Zaratustra ensina a desprezar aquilo que se amava, para amar a constante criação de si. Segue com teu amor e teu desprezo, segue o caminho da solidão, habite um deserto onde possa perecer e queimar, este é o destino daquele que quer criar para além de si mesmo.

Algumas almas jamais descobrimos, a não ser que antes as inventemos”, Assim Falou Zaratustra

> Assim falou Zaratustra <

Escrito por Rafael Trindade

Artesão de mim, habito a superfície da pele.

5 comentários

  1. Muito bom! Didático, poético e gostoso de ler como [quase] sempre. Me lembrou muito o filme “Man on Wire” – “O Equilibrista”..

    Curtir

  2. Cada braçada rumo ao destino é uma braçada a mais para o retorno. Queres autocriar, então autodestrua-se. O que é chamado de vício, de podridão e causador de refugo por aqueles que estão a sua volta significa nada. Somente você pode libertar a si mesmo e tal caminho está na destruição do que fizeram de você até então!
    Parabéns pelo texto.

    Curtir

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s