"A política passa-se nas ruas, e não nas urnas"
“O poder está nas ruas, e não nas urnas”

 

Uma ideia pode ser facilmente apagada de um muro, mas não é tão fácil quanto sonham alguns apagá-la de uma agenda social.  Desde 1968, esta ideia permanece e, talvez, vivamos o tempo em que mais se faz pertinente rabiscá-la nas paredes: onde se dá a política?  Se há uma resposta, estamos convencidos de que ela não está restrita à representatividade de nossa república. Uma mão de tinta pode apagar o que alguém levou minutos para desenhar, mas não há esforço no mundo que nos faça voltar a crer no poder do voto como único mecanismo legítimo da atuação social. Já tivemos o suficiente.

‘Vote! Exerça a civilidade’ nos soa ‘Acostume-se. Exerça sua paciência’. Jamais estivemos tão afastados do núcleo de decisões que nos envolve enquanto sociedade. O aparelho burocrático é um obstáculo entre nossas ideias e sua prática. Mais vale tomar nas mãos a política do que a justiça. É uma necessidade de primeira ordem repensar e redistribuir os papéis na atuação política. Se é difícil pensar em uma ampliação da participação democrática da sociedade como um todo, é porque esses caminhos não foram ainda devidamente explorados, é porque nas mãos de poucos está o destino de muitos.

Não nos enganemos: bradar de peito cheio contra a classe política não significa que tomamos o fazer político nas mãos, isso está mais para um resmungo conformista. O problema não é a qualidade dos nossos burocratas, mas o entendimento do nosso Estado acerca do fazer político. Há de se colocar as ideias em circulação, há de ser trazer a política para as ruas, há de se promover um fluxo de conflitos, um programa de confrontos entre propostas. Não há nada mais repugnante do que aquilo a que chamamos hoje de debate político. Só nos mostra que,até agora, entendemos muito mal o que significa ‘debate’ e, principalmente, o que significa ‘política’.

Escrito por Rafael Lauro

Sou formado pelos livros que li, pelas músicas que toquei, pelos filmes que vi, pelas obras que observei, pelos acontecimentos que presenciei e pelos relacionamentos que tive. Sou uma obra aberta.

3 comentários

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s