Skip to main content

Carrinho

Close Cart

Quando Epicuro diz que é possível suportar a dor, cai em um realismo no qual poucos conduziram-se. Sim, há dor, ela existe no mundo, está para além da teodiceia, os deuses indolentes não estão preocupados com nosso grau de sofrimento. O que fazer com a dor? Antes de mais nada, vemos uma proposição negativa: não é possível negá-la, segundo: é possível suportá-la.

- detalhe de "Jardim das Delícias" de Bosch

– detalhe de “Jardim das Delícias” de Bosch

Não há pecado original, não há complexo de Édipo, não há más energias dos astros… simplesmente o mundo é feito de prazeres e dores; e para viver nele, é preciso saber procurar o prazer e evitar a dor. Epicuro submete a dor à sabedoria do tetrapharmakon, negá-la seria inútil, então procura entendê-la para melhor lidar com ela.

A dor é um desarranjo atômico, ela indica que algo está fora do lugar, há uma desarmonia no corpo, simplesmente algo está errado. É preciso entender que a dor é um sinal do corpo para que tome uma atitude, aja. “Tire a mão do fogo“, diz a dor, “Não coma mais isso“, diz o desconforto, “Não relacione-se mais com ele“, diz a tristeza. O sábio não rejeita a dor, ele a recebe de braços abertos, mas atento, precavido, preparado para ouvir seu recado e lidar com os encargos que a dor exige.

Deixamos finalmente o terreno neurótico do certo e do errado, do bem e do mal, e atingimos uma planície filosófica, povoada de, como diz Espinosa, bons e maus encontros. Epicuro não julga nem condena, ele mede os afetos, ele os coloca à sua disposição.

Submeter a dor, sujeitá-la à filosofia, fazer dela uma parte da sabedoria. “Aquilo que não me mata, me torna mais forte” disse Nietzsche, imbuído do espírito epicurista em Crepúsculo dos Ídolos. Este remédio me leva a ter uma relação ética com a dor, como lidar com ela? Em vez de carregar a minha dor como fardo, será que posso utilizá-la como ferramenta? Grandes pensamentos nascem da dor, sua superação é um momento grandioso.

Suportar a dor, não negá-la, não ignorá-la, não jogar para debaixo do tapete, não se utilizar apenas de narcóticos e entorpecentes. Encarar a dor, enfrentá-la, tratá-la com respeito. O sábio Epicuro, em sua busca do prazer, reservou um lugar para a dor, talvez por isso seu tetrapharmakon seja tão eficaz.

Texto da Série:

Tetrapharmakon

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
7 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
Hefesto Grego
6 anos atrás

Republicou isso em Hefestoe comentado:
Um grego que eu adoro! Obrigado pela postagem.

MariaLDário
6 anos atrás

Lindo post. Levo…
Rafael Trindade
arazaoinadequada.wordpress.com

Maria Clara
Maria Clara
6 anos atrás

bom texto !!

Fernanda
Fernanda
6 anos atrás

Texto muito esclarecedor. Parabéns!

Maddie
Maddie
5 anos atrás

Maravilhoso!! Obrigada pelo texto!

oabmurilo
4 anos atrás

estou escrevendo sobre o tema, foi interessante enxergar outra vertente,essa ainda que mais profunda mas muito esclarecedora ,texto simples,claro e rico em detalhes me ajudou muito.

Antonio Barone bicalho
Antonio Barone bicalho
2 anos atrás

O texto é muito bom,mas é muito difícil convencer uma pessoa em estado de muita dor ler este texto!