A tristeza é a passagem do homem de uma perfeição maior para uma menor” – Espinosa, Ética III, definição dos afetos

Impossível que a vida não seja preenchida, mesmo que seja de tristeza. A produzimos mais do que qualquer fábrica, indústria, linha de produção. Distribuímos tristeza mais do que qualquer porto, rodovia, ferrovia. Ela está na vitrine das lojas, vendemos este afeto à prazo e com desconto, e ela sai mais do que qualquer produto em qualquer prateleira de qualquer supermercado. Reciclamos tristeza mais do que qualquer cooperativa. Veiculamos tristeza mais do que qualquer notícia.

carlos-saenz-de-tejada loneliness-1927O produto principal de nosso PIB deveria ser a tristeza. Sim, ela em suas várias qualidade, marcas, versões, edições: ódio, aversão, medo, melancolia, esperança, ciúme, desespero, remorso, raiva, arrependimento, comiseração, autoabjeção, humildade, inveja, pudor. A tristeza vai ao encontro do homem que busca perseverar em sua existência, diminui seu conatus. Quanto maior a tristeza, mais o homem é afastado daquilo que pode, mais debilitado ele está, menos é capaz de agir. Claro que cada um se esforça, tanto quanto pode, por afastar a tristeza, mas todos, em maior ou menor grau, são afetados por ela.

As afecções à base de tristeza se encadeiam, portanto, umas nas outras e preenchem nosso poder de ser afetado. Elas o fazem, porém, de tal maneira que nossa potência de agir diminui cada vez mais e tende para seu mais baixo grau” – Deleuze, Espinosa e o Problema da Expressão, p. 166

E aprendemos a conviver com a tristeza. Por quê? Ora, aprendemos que é assim, nos deram poucas dicas de como evitá-la, os caminhos são estreitos demais para a alegria. A tristeza tende a virar uma via de mão única, torna-se um modo de vida, é a existência reduzida apenas a um pequeno número de encontros, é o racionamento dos bons-encontros. Temos que economizar, porque tristeza temos de sobra, mas a alegria é escassa. Homens impotentes, vivendo de migalhas de potência, impedidos de pensar e de agir. A tristeza é a incapacidade de criar, de resistir, é um assistir a si mesmo enquanto a vida passa.

O medo é a tristeza instável de que algo ruim pode acontecer, o desespero é a tristeza acompanhada da certeza de uma mal exterior. O ódio é medo projetado. A vergonha é tristeza que imaginamos de estarmos sendo reprovados, humildade é a tristeza tornada virtude.  A misericórdia é a tristeza pela tristeza alheia, inveja é o ódio da felicidade do outro. Existem felicidades tristes, a alegria que vem de ver quem se odeia triste, a alegria que nasce quando o invejoso é humilhado. E como vivemos neste estado!

Quando se trata deste afeto, temos uma lista de como ele se desenvolve, insiste em permanecer. Espinosa ficava horrorizado de como a tristeza se espalhava facilmente pela sociedade. Sinal claro de nossa impotência, sinal claro de que nos sentimos abandonados e sozinhos. Quando encontramos aliados é mais fácil lutar, um encoraja o outro. Sozinhos, queremos apenas nos esconder e nos preservar.

nicholas-roerich sadness-two-in-boat-1939Mas não podemos parar no sintoma, não podemos ficar apenas com o resultado, é preciso perguntar sempre, para si e para os outros: por que tanta tristeza? Podemos arriscar uma resposta direta e simples: o poder precisa de pessoas tristes para dominar. O ódio precisa de pessoas tristes para florescer. O medo precisa de pessoas tristes para se manter. A esperança precisa de pessoas tristes para prosperar. Inveja, ganância, humildade, nossa sociedade precisa destes afetos para se manter, e eles são todos derivados da tristeza.

Padres ferem para cuidar da ferida, chamam seus fiéis à igreja para arrependerem-se de seus pecados, acusam para vender a inocência, fazem guerra para professar a paz. E existem muitos padres, políticos, por exemplo, fazem programas eleitorais recheados de tristeza, afirmando que ele, se você eleitor permitir, é a pessoa que vai salvar o mundo da calamidade que se aproxima; rádio e televisão jogam o homem em um buraco e oferecem ajuda. Se você não é como os comerciais mostram, então você não é bom o bastante, é preciso ser como eles estão falando.

Tudo aquilo que é triste é nefasto e nos torna escravos; tudo aquilo que envolve a tristeza exprime um tirano” – Deleuze, Espinosa e o Problema da Expressão, 187

tristezaUm filósofo não escreve sem objetivos claros (por mais que às vezes escreva da maneira obscura), Espinosa quer tirar o homem da tristeza e levá-lo à felicidade, ou melhor, dar condições de que ele mesmo alcance a felicidade, sem que ninguém  o pegue pela mão. Um conhecimento tão seguro que, quando encontrado, garantisse uma felicidade pura e constante. Então precisamos pensar de modo político para entender a tristeza. Precisamos sair de um psicologismo hermético e encontrar o mundo, esquecer que os afetos são (bio)políticos é a maneira mais fácil de cair no ressentimento.

Tristeza é passar para uma perfeição menor. Sempre, sim, sempre buscamos a felicidade, até mesmo aquele que se suicida (ou é suicidado, como diz Artaud). O homem busca, por sua essência, aumentar sua potência de existir. Ele imagina aquilo que pode levá-lo à felicidade e procura alcançar. Se tudo vai mal, ele ao menos imagina, fantasia, sonha. A vida resiste à morte, com todas as forças, com tudo que tem ao seu dispor. E Nosso objetivo? Ser feliz, isso significa pensar mais, agir mais, realizar mais bons encontros!

Esforçamo-nos por fazer com que se realize tudo aquilo que imaginamos levar à alegria; esforçamo-nos, por outro lado, por afastar ou destruir tudo aquilo que a isso se opõe, ou seja, tudo aquilo que imaginamos levar à tristeza” – Espinosa, Ética III, prop 28

O objetivo é encontrar uma nova relação com a exterioridade, sem vê-la como ameaçadora ou como supressão das carências, ou buscando um mestre, um pai, um salvador que acabe com nossos problemas. Afastar-se do que faz mal, ligar-se ao que faz bem. Fazer aliados! Não investir no poder! A força que vem da alegria é inversamente maior que a fraqueza que vem da tristeza, porque o corpo já tende, por sua própria constituição a aumentar sua potência. O corpo resiste à tristeza e se entrega à felicidade. Ou como diria Nietzsche, a tristeza passa, mas a alegria quer a eternidade.

A Ética de Espinosa é uma reflexão, uma interiorização e interpretação dos afetos que afasta as causas imaginárias e descobre o que em nós pode ser causa da felicidade. A tristeza nos impede de pensar, e consequentemente de agir, nos coloca em um canto, nos torna ressentidos. Nietzsche diz: não admira que não nos conhecemos, nunca nos procuramos; Espinosa insiste que devemos nos procurar, e para nos procurar devemos procurar bons encontros. Essa é a única maneira, diz Espinosa, de recuperar a saúde. Nos acostumamos a ser felizes por vias tortas, e esquecemos que o caminho para deixar a tristeza é mais racional do que imaginávamos.

Quanto mais a cidade for conveniente à razão, menos paixões tristes ela produzirá nos cidadãos (medo ou mesmo esperança), apoiando-se, de preferência, nas afecções alegres” – Deleuze, Espinosa e o Problema da Expressão, p. 184

Estas palavras, porém, não devem nos levar a um frenesi criativo, uma hiperatividade… não estamos fazendo uma ode à felicidade maníaca. A excitação pode ser ruim se localizada em um só ponto, prejudicando o resto do corpo. Estamos procurando um modo de vida Ético, que parta das coisas simples, experimente e encontre, ou melhor, crie seus próprios territórios, que aumentem a potência de existir e agir, consequentemente nos torne capazes de pensar melhor em nosso próprio ser e nossa relação com o mundo que nos cerca. Partir do simples, e, aos poucos, tornar-se si mesmo, autopoiésis.

O caminho ético é muito mais eficaz que o moral. A tristeza apela para o poder, a alegria para a Potência. O corpo grita por uma alegria em ato, ouvimos suas palavras convocando para a luta, para o confronto direto ou a fuga ativa. O corpo lembra à alma que eles e a vida são uma só e a mesma coisa, e que a posição passiva em relação ao mundo não fará as coisas melhorarem. A alma se rende ao corpo, torna-se sua parceira, os dois aprendem a andarem de mãos dadas, como aconselhou Espinosa.

Texto da série: Afetos (bio)Políticos

Escrito por Rafael Trindade

"Artesão de mim, habito a superfície da pele" Atendimento Psicológico São Paulo - SP Contato: (11) 99113-3664

13 comentários

  1. Excelente o texto! Contudo, ainda que seja possível compreender a paixão dentro de laços racionais e tentar ao máximo viver dentro desses limites, do aceito, do desejável, do eu e do outro, sabemos que há um pressuposto da razão, e, daí gera-se um novo problema que sendo alma ou não, transcende a pele. Obviamente, esta é a minha compreensão sobre o assunto. Ainda assim, adorei sua abordagem, a forma que aplica Espinosa, a sua autopoiésis.

    Curtido por 1 pessoa

  2. “Não investir no poder” Acredito que no contexto da sociedade atual é impossível fugir de uma posição vinculada ao poder, isso torna nossas ações mais difíceis, será possível através de uma filosofia autêntica em Espinosa encontrar o caminho racional que nos ajude a lidar com o poder? Deixo minhas questões aqui.

    Curtir

  3. “A tristeza nos impede de pensar”

    “Ser feliz, isso significa pensar mais, agir mais, realizar mais bons encontros!”

    Que pensamento simplista. Nem todos são iguais, o ser humano é de uma multiplicidade incrível. Quando estou triste penso muito mais do que quando alegre. Superficial texto. Colocar o indivíduo numa caixa e rotulá-lo.

    Curtir

  4. ´´o poder precisa de pessoas tristes para dominar. O ódio precisa de pessoas tristes para florescer. O medo precisa de pessoas tristes para se manter. A esperança precisa de pessoas tristes para prosperar. Inveja, ganância, humildade, nossa sociedade precisa destes afetos para se manter, e eles são todos derivados da tristeza.“

    Curtir

Comente aqui!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s