Skip to main content

Carrinho

Close Cart

Os Cínicos nos ensinam a verdadeira vida. Através da alteração da moeda vigente eles transformam a vida comum em verdadeira vida filosófica. Como fazer isso sem chutar a bunda de Platão? O filósofo definiu a verdade como aletheia, mas os Cínicos levam a afirmação platônica ao extremo e a fazem seu tiro idealista sair pela culatra.

A filosofia idealista definia a verdadeira vida como uma vida não dissimulada. Ou seja, vive de tal modo que não precise dissimular aos outros quem tu és. Seja correto, não cometa nenhuma ação repreensível, que te cause vergonha perante teu próximo. Sêneca aconselhava mandar cartas aos teus amigos contando tuas atitudes de forma que eles possam ser juízes de teus atos. Epicteto aconselhava imaginar que os próprios deuses estavam acompanhando seus passos (mera semelhança com religiões atuais não é mera coincidência).

Chegamos assim facilmente ao cristianismo onde os devotos vivem sendo perseguidos pela sombra enorme de Deus que os jogará em um lago de fogo em face do mínimo desvio das leis divinas. “Não dissimularás” lentamente se torna, “siga a Lei”!

Os Cínicos ouviram Platão dizer: “a verdadeira vida é não dissimulada“, e deram uma grande gargalhada, eles provavelmente responderam: “ouço o que digo, ó sábio Platão, mas não o vejo praticar“. A verdadeira vida só pode ser não dissimulada do começo ao fim. Por isso os Cínicos levam a afirmação ao extremo e fazem o filósofo das ideias passar vergonha.

A vida do cínico é não dissimulada, no sentido de que ela é realmente, materialmente, fisicamente pública”

– Foucault, A Coragem da Verdade, p. 223

Escultura de Hércules

Diógenes comia na rua, dormia na rua, se masturbava na rua. Enfim, Diógenes morava no meio do olhar dos outros. Viver a vida não dissimulada é vivê-la aos olhos de todos, de modo imediato, direto. Nada a esconder. O olhar não seria mais a mediação do viver correto, ele passa a ser o resultado de uma vida que se conduz corretamente e por isso não liga para os olhares alheios. Os cínicos padecem, encenam, ensinam e denunciam sempre em visibilidade absoluta.

Uma vida não dissimulada é aquela que não se preocupa com os olhares alheios nem teme ser envergonhada perante os outros. A verdadeira vida não dissimulada é aquela que esquece o significado da vergonha. Ora, não se deve dissimular a natureza, ela é boa! Se a natureza pôs em nós bunda, seios, pelos, pênis, por que se envergonhar? Se peidamos e mijamos, ora, então peidemos e mijemos no idealismo! Tudo acompanhado de um riso dos que coram com tais atos. Adeus às regras de pudor tradicionais, a natureza humana é tão natureza quanto qualquer outra, e a natureza não deve temer sua própria expressão.

O pensamento tradicional colocava uma vida não dissimulada como pretexto para impor regras e condutas. “Para não te envergonhardes, faça assim“, Diógenes responde com uma careta e dança nu, ele não se envergonha de ser um cão.

A não dissimulação, longe de ser a retomada e a aceitação dessas regras de pudor tradicionais que fazem que as pessoas se envergonham de fazer o mal diante das outras, deve ser a exposição da naturalidade do ser humano ante o olhar de todos”

– Foucault, A Coragem da Verdade, p. 224

Texto da Série:

“Descaracterizar a Moeda”

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
6 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
jaderpaes8013
6 anos atrás

Republicou isso em jaderpaes8013.

Gustavo Adolfo
Gustavo Adolfo
6 anos atrás

Estou acompanhando já há um tempo os textos acerca do cinismo, e vejo que eles continuam sem perder a originalidade, sem deixarem de abrir novas fenda reflexiva. Estão fazendo um otimo trabalho. Um abraço.

Gustavo Adolfo
Gustavo Adolfo
6 anos atrás

Novas fendas*

Malpractice
6 anos atrás

Republicou isso em Wildlife Analysis.

Valério Augusto
Valério Augusto
1 ano atrás

Seriam os Cínicos, filósofos ou farsantes? Adolescentes rebeldes? Coragem eles tinham.

LLeopoldo Junior
LLeopoldo Junior
7 meses atrás

se a gente entender que a sociedade é um caldeirão de psicopatas, lunáticos, enfim são loucuras ao extremo, nitidamente vemos que o mundo é um manicômio, e que, não existe uma pessoa com sanidade o tempo todo, ou que, as pessoas perdem a sanidade. Com isso, quero dizer, o mundo é feito pelos loucos! Quem tem sanidade, pois quem tem sanidade está muito preocupado em mante- la e não tem poder para influenciar de maneira contunde. O poder, vem da crença, e a crença é a loucura da entrega!

Last edited 7 meses atrás by LLeopoldo Junior