Skip to main content

Carrinho

Close Cart

Zaratustra desconfia dos sábios. Eles ainda parecem padres…

Quereis criar o mundo ante o qual podeis ajoelhar-vos: é a vossa derradeira esperança e embriaguez”

– Assim Falou Zaratustra, p. 108

Os sábios colocam seus valores em um barco, junto com todas as suas ovelhinhas e seguidores, e juntos descem o rio do devir. Mal sabem eles o que lhes aguarda. Zaratustra olhou fundo no coração do homem, talvez mais fundo que ninguém, percorreu os maiores e os menores caminhos. Para falar daquilo que vive, ele dá três conclusões:

  1. Tudo que vive obedece;
  2. Recebe ordens aquele que não sabe obedecer a si próprio;
  3. Dar ordens é mais difícil que obedecer.

A vida é risco, perigo, embate. Aquele que está inserido no mundo não escapa de suas forças colossais e não pode esconder-se sem sofrer as graves consequências. Caso não saiba mandar, caso não seja forte, cabe obedecer, ser subjugado, dominado, submetido. Suas ordens são para si mesmo, sua prescrição é seu próprio remédio.

Onde encontrei seres vivos, encontrei vontade de poder; e ainda na vontade do servente encontrei a vontade de ser senhor”

– Assim Falou Zaratustra, p. 109

Capa da edição russa

Capa da edição russa

Quando falamos de vontade de poder, não há como ser dualista, não há dialética, as forças são plurais, todas procuram se afirmar, estão por cima e por baixo, também no escravo se agitam forças de dominação e expansão. A mesma força que se agita e domina se mostra em sua outra face, embaixo, sendo dominada. Este é o segredo que a vida contou para Zaratustra: “‘Vê’, disse, ‘eu sou aquilo que sempre tem de superar a si mesmo’” (p.110).

Não é um impulso para a existência, estas forças já existem e sempre existirão, não é um impulso para manter-se, esta força não é inércia. A esta Vontade Nietzsche batiza de Vontade de Potência: expansão contínua de força, expressão máxima do alargamento de si, dilatação permanente.

Que eu tenha de ser luta e devir e finalidade e contradição de finalidades: ah, quem adivinha minha vontade, também adivinhará os caminhos tortos que ela tem de percorrer!”

– Assim Falou Zaratustra, p. 110

Também a vontade dos sábios é uma vontade de potência, uma sede de domínio, o sábio quer dobrar o mundo, mas sua vontade é fraca e ele terminado curvando-se ao seu conhecimento (veja melhor aqui). Não há bem e mal que não sejam imutáveis, eles também são uma violência, eles também estão inseridos na cadeia de eventos que faz afundar o barco dos sábios no rio do devir.

Quem tem de ser um criador no bem e no mal: em verdade, tem de ser primeiramente um destruidor e despedaçar valores […] que se despedace tudo o que, de encontro a nossas verdades, possa – despedaçar-se! Ainda há muitas casas por construir!”

– Assim Falou Zaratustra, p. 111

Nicholas Roerich, Remembers from his country

Zaratustra fala para além do conhecimento dos sábios, este terminará inevitavelmente naufragando; fala para além do bem e do mal, tábuas da salvação daqueles que temem se afogar quando tudo se partir. Zaratustra se dirige àqueles que querem superar a si próprios, àqueles que constroem sua casa na beira do abismo, que sabem que tudo é uma expressão do mar de forças, dentro e fora do indivíduo. Forças estas que não querem “existir” nem “conservar”, mas dominar, se expandir, dinamizar, crescer, multiplicar, enfim: criar novos valores.

Texto da Série:

Assim Falou Zaratustra

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
admin
7 anos atrás

Acabei de assistir Clube da Luta. O texto ressoa muito com o filme.

Fy
Fy
7 anos atrás

Perfeito, Rafael ! e vcs se superam a cada post.

– A saúde pertence a quem tem sede na alma de percorrer com sua vida todo o horizonte dos valores e de quanto foi desejado até hoje , quem tem sede de circum – navegar as costas deste ideal mediterrâneo

bj

FH

Rafael Henrique Silva Baptista
7 anos atrás

Hoje eu estava pensando em uma realidade em que o corpo humano tinha alcançado um nível de regeneração e conservação que impedisse o envelhecimento.
Os recursos nessa realidade era farta e bem distribuída e as condições de vida era semelhantes a de um herdeiro de bilionário. Imagine só.
O numero de suicídio era espantoso, as pessoas se cansavam de viver antes de 200 anos de idade, mas tinha um homem que…

Pelotas Occulta
7 anos atrás

Republicou isso em PELOTAS OCCULTA.

Sirlene
Sirlene
7 anos atrás

Otimo texto