Skip to main content

Carrinho

Close Cart

Há que endurecer-se, mas sem jamais perder a ternura”

– Che Guevara

Precisamos ser cautelosos ao falar de amor. Ainda nós, filósofos, orgulhosos de nosso intelecto, com a cabeça nas nuvens, temos o pé ainda mais atrás para falar de um sentimento que hoje parece tão banalizado. Mas se poetas, escritores, músicos, padres, psicanalistas e toda uma quantidade enorme de pessoas pode falar deste sentimento, por que não nós? Talvez se falarmos de um amor inadequado, então sim, caiba a nós falar deste afeto! Exatamente para desafiar o modo de amar atual e que se espera nos tempos de hoje.

Sim, o amor pode ser assunto de filósofos e de política. É preciso apenas antes filtrá-lo de todo sentimentalismo barato, todo romantismo enlatado de filmes americanos. Não queremos o modelo de amor burguês, do casal, do príncipe encantado e da princesa. Já coube a nós, inclusive, desplatonizar o amor! Tudo porque é preciso reinventar o amor, torná-lo novamente perigoso! Ainda mais em tempos de indiferença social, em tempos de medo e esperança tão enraizados em nosso modo de pensar e agir. Se pensarmos em como uma cidade cria e circula seus afetos, então devemos nos preocupar, e muito, com o modo com que o amor circula e de que forma ele cria subjetividades.

 

– Emiliano Ponzi

As pessoas hoje em dia parecem incapazes de entender o amor como um conceito político, mas é precisamente de um conceito de amor que precisamos para apreender o poder constituinte da multidão

– Negri&Hardt, Multidão, p. 439

Falar de amor como um afeto (bio)político é encarar o fato de que o amor pode ser uma ferramenta filosófica de constituição do comum e que gera potência, aumentando nossa capacidade de afetar e ser afetado. Este conceito pode ser uma ferramenta poderosa para qualquer devir-revolucionário. O amor existe primariamente como esta figura externa de referência, ele é a alegria que reconhece uma causa externa. “Uma alegria acompanhada de uma ideia de uma causa exterior” (Espinosa, Ética III, def. af. 6). Sendo assim, ele reconhece logo em sua definição a interdependência entre o crescimento da potência e as relações exteriores que lhe dão suporte para isso. O amor nos faz ver que crescemos juntos, que estamos no mesmo barco.

Todo ato de amor, poderíamos dizer, é um acontecimento ontológico na medida em que assinala uma ruptura com o existente e cria um novo ser”

– Negri&Hardt, Bem Estar Comum, p. 205

Para Antonio Negri, o amor constitui, dá consistência, cria novos caminhos, ele é a abertura do ser para o novo, o constante processo de criação infinita do ser. Sem amor, não adianta, simplesmente não é possível. Espinosa fala do ser humano que é mais forte junto que separado e nós vemos isso claramente quando ele afirma: “nada é mais útil ao homem do que o próprio homem” (Espinosa, Ética IV, prop 20, esc) e como uma das virtudes do homem livre é viver em sociedade. De que serve um amor se ele não mudar o mundo? De que serve um amor se ele não recriar o mundo? Contra todo amor possessivo e monopolista, nós propomos uma nova forma de amar, uma que dê acesso a todos, sem ser privatizado e sem se fechar!

O amor significa precisamente que nossos encontros expansivos e nossas contínuas colaborações nos proporcionam alegria”

– Negri&Hardt, Multidão, p. 439

– Kev Orvidas

Mas vivemos tempos de fechamento, medo, ódio, raiva, indignação. Vivemos uma enorme dificuldade em dar vazão para criações que não sejam rapidamente capturadas pelo mercado ou privatizadas e colocadas na prateleira do mercado ou atrás de uma vitrine. O perigo está na forma como os afetos circulam em nossa sociedade. O amor é uma mercadoria a mais para ser colocada em perfumes e comerciais de televisão! O desejo não se engana, dizia Espinosa, mas o amor pode assumir a forma mais servil possível, afinal, não aprendemos inúmeras formas de amar que são corrompidas logo de início?

A família talvez seja uma das primeiras. Nos ensinaram a colocá-la acima de tudo, a amá-los porque nos momentos de dificuldades apenas eles estariam lá para nos ajudar. Verdade? Sabemos que a resposta não é tão simples. A família é vista como núcleo mínimo da constituição social, mas esquecem de nos contar sobre as rupturas internas de cada família, do quanto elas podem ser intolerantes com qualquer mínimo desvio. Querer a identidade da família pode ser chamado de  “amar ao próximo”. Eis uma verdade que pode tornar-se um identitarismo limitante e ameaçador. O “próximo” torna-se “o mesmo” e qualquer desequilíbrio ou disparidade já é logo visto como anormal, potencialmente perigoso. Quantas famílias não banem a diferença? Inúmeras! Tudo por causa de uma forma identitária de pensar o amor que não consegue se articular minimamente com a diferença. Famílias que se encontram hermeticamente fechadas para o fora.

Sabemos como Nietzsche ensinou a amar o distante, não o amor ao próximo, mas ao distante, à diferença, à alteridade. Esta sim é potente, porque cria, porque abre novos caminhos. O amor à alteridade, à diferença é o antídoto que cura contra este amor identitário, fechado, monótono, repetitivo, esterilizado, que busca a completude e a sublimidade. Não, nos parece pequeno demais nos encaixar no padrão da família tradicional (ainda mais a brasileira), nós queremos e sabemos que o amor é mais que isso! E como afeto (bio)político, ele precisa escapar do apartamento apertado onde papai e mamãe moram. A unidade é na verdade múltipla, é preciso apenas saber promover os encontros.

Outra forma de amor incentivada: à empresa, à corporação na qual a subjetividade encontra-se constantemente em perigo de ser capturada. “Vista a camisa da empresa” é o jeito mais sutil de dizer “trabalhe horas extras sem pedir nada por isso e nunca, nunca mesmo, deixa de atender as ligações de seu chefe no celular“. A política da empresa engole cada funcionário, lhes dá um treinamento e os coloca em um cubículo apertado para que produza. E as palestras motivacionais no fim do ano? Servem apenas para que os funcionários não pulem do mais alto andar da empresa, onde provavelmente está a sala do chefe e que, se nos esforçarmos muito, um dia chegaremos lá.

No escritório, qualquer gravata fora do lugar já pode ser motivo para desconfiança. Um café na hora errada, um comentário no corredor. As instituições estão corrompidas, elas fabricam mentes e produtos da mesma maneira: uniformes e padronizados!

Estamos cansados de ouvir como devemos ser, mas não nos cansamos de nos perguntar o que podemos ser! Quando falamos de uniformidade e padronização, nós matamos a potência do novo, perdemos o comum onde as singularidades se articulam e ficamos esperando as ordens do chefe. As empresas investem na ideia de novidade e “último lançamento”, mas fazem isso não para nosso benefício. Os encontros acontecem somente por diferença e experimentação e podem ser facilmente capturados pelo capital! Se formos todos iguais e mantidos cada um no seu espaço, como isso se dará?

O que estamos buscando – o que conta no amor – são a produção de subjetividade e o encontro de singularidades, que compõem novos agrupamentos e constituem novas formas do comum”

– Negri&Hardt, Bem Estar Comum, p. 211

Mas o grau maior de como o amor pode ser corrompido é a ideia de Nação. Vemos como o amor à pátria assumiu formas nefastas no passado e hoje volta a se afirmar com força. O lema “Brasil, ame-o ou deixe-o“, dos tempos da ditadura, não é nada inatual. Pelo contrário, vemos como pessoas nas ruas com camiseta da seleção brasileira são apenas um dos sintomas de um fechamento para as diferenças. Um país com milhares de quilômetros de extensão sendo tomado por um pensamento fascista que só pensa em termos de amigo/inimigo. Um país que, com o lema da pátria amada, com a bandeira nas costas e o hino cantado com emoção, varre para debaixo do tapete tudo que não seja apresentável nem digno de visibilidade.

O que na verdade estamos criando é uma nação de idiotas que pensam as mesmas coisas e querem impor este mesmo pensamento limitado aos outros. Como se houvesse apenas um modo de ser brasileiro, um modo de amar o seu país, um modo de lutar por ele. Ainda mais no Brasil, onde é absolutamente impossível falar de identidade nacional, de raça brasileira ou qualquer tentativa de unificação neste sentido sem reconhecer que este sempre foi um projeto de poder para oprimir as populações mais vulneráveis.

No encontro e singularidades desse amor, um novo agrupamento é criado marcado pela contínua metamorfose de cada singularidade no comum”

– Negri&Hardt, Bem Estar Comum, p. 212

Neste sentido, precisamos pensar o amor como uma arma, tanto para a constituição de novos laços, como também para resistir e desatar o que hoje está preso. O amor é uma atividade que, quando necessário, resiste das mais variadas formas, ele não é um dar a outra face.

Da mesma forma que Deleuze e Guattari falaram do devir-vespa da orquídea e do devir-orquídea da vespa, onde cada uma entrava um devir, mas sem deixar de se relacionar e crescer no processo. Aqueles em maior vulnerabilidade são os que mais têm a ganhar. Vítimas primeiras do capital, expropriados de seus próprios corpos, de sua subjetividade, é o amor que torna comum este campo onde todos estão e nos retira da miséria e da solidão. Se, infelizmente, nos unimos por medo, sabemos ao menos  que o único modo de crescer é por amor.

Mas como falar de amor em um mundo tão cheio de maldade? É possível fundar uma sociedade, ou um projeto constituinte, se somos maus por natureza? Ora, e quem disse isso? A ideia de mal radical é antiga e perpassa o cristianismo (e a psicanálise) além de vários outros pensamentos com que atualmente nos defrontamos. Mas a pergunta é mal formulada, não há um íntimo na natureza humana, não há uma essência de maldade que resiste à civilização, às leis, ao amor. Precisamos voltar a Espinosa e tratar os afetos como linhas e planos: uma ciência dos afetos.

Não somos nem bons nem ruins, somos um corpo que é afetado, que ora aumenta sua potência de pensar e agir, ora diminui. Estamos atentos para este corpo? Como ele está no mundo? Que afetos circulam por ele? Esta pergunta é de extrema importância porque estamos envenenados e aprendemos a amar de jeitos que nos aprisionam. Mas se não somos nem bons nem ruins, o amor ama de modos errados por pura ignorância, impotência e superstição. O mal é secundário e necessariamente inferior, e ele pode e deve ser combatido (não contido, nem aceito). Em suma, não há nada em que o homem sábio pense menos que no mal, e sua filosofia é uma filosofia para o amor!

O mal […] é o amor que se desencaminhou, o amor de tal maneira corrompido que obstrui o funcionamento do amor”

– Negri&Hardt, Bem Estar Comum, p. 217

Sempre se procura o que é melhor para si, mesmo que seja da maneira errada. Mesmo o ressentido quer ser feliz! O desejo nunca se engana, ele pode apenas ser pequeno demais para ver bem os caminhos que trilha. No amor, afeto e intelecto estão unidos. Claro, não poderia ser diferente para nós! Esse é o único caminho que conhecemos para sair da servidão!

A primeira pergunta a fazer ao se deparar com o mal é: que amor especificamente deu errado aqui? Qual a instância do comum foi corrompida? As pessoas estão profundamente viciadas no amor que dá errado e em formas corrompidas do comum. Não raro, infelizmente são estas as únicas expressões do amor e do comum que conhecem!”

– Negri&Hardt, Bem Estar Comum, p. 218

Não é à toa que Espinosa pensa remédios para os afetos! Afinal, os homens lutam por sua servidão achando que estão lutando por sua liberdade. Às vezes, o amor toma caminhos inesperados, fecham, constrangem e nos impede de fazer novas conexões, traçar linhas de fuga, encontrar outras formas de amar, de viver e de se recriar.

– Emiliano Ponzi

O amor quer transbordar! Ele é o ritornelo que sempre se repete de maneira diferente! É isso que tanto nos assusta, somos pequenos demais para deixar o amor passar, para cantar sua melodia e nos deixar levar por suas possibilidades. O amor é monstruoso porque ele não possui a cara bonitinha dos atores de filmes de comédia romântica. Sua face nos é desconhecida, mas conhecemos sua força!

Estamos neste campo de batalha, onde a multidão luta para se compor sem se homogeneizar, onde as conexões se fazem na forma de um rizoma e cada parte se liga com outras numa horizontalidade inteligente. O amor é o motor ontológico que move estes agenciamentos. Precisamos de consistência para fazer passar o desejo, para girar cada vez mais rápidos.

É no amor que abrimos as identidades, permitimos outras formas do ser se constituir sem modelos pré-determinados, sem formas apertadas e claustrofóbicas! É no amor que a diferença se articula sem perder-se e sem limitar-se! Ele abre, sem perder-se, ele ganha velocidade sem desintegrar-se. É no amor, para concluir, que nos tornamos nômades, parados ou em movimento! Só ele permite abandonar o isolamento e compreender-se como elemento dentro da natureza, abandonando ilusões de onipotência e encontrando o real, a imanência e a produção contínua de vida.

O verdadeiro revolucionário é movido por grandes sentimentos de amor”

– Che Guevara

Texto da Série:

Afetos (Bio)Políticos

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
10 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
leilianerosa
6 anos atrás

EEEEEEEEEEEEEEh. 😀

PARABÉNS!

“Estamos cansados de ouvir como devemos ser, mas não nos cansamos de nos perguntar o que podemos ser!”

________________________________ De: Razão Inadequada Enviado: quarta-feira, 28 de setembro de 2016 16:00 Para: leiliane.mel@windowslive.com Assunto: [New post] Afetos (bio)Políticos – Amor

Rafael Trindade posted: ” Há que endurecer-se, mas sem jamais perder a ternura” – Che Guevara Precisamos ser cautelosos ao falar de amor. Ainda nós, filósofos, orgulhosos de nosso intelecto, com a cabeça nas nuvens, temos o pé ainda mais atrás para falar de um sentimento que “

Thiago Sitoni
6 anos atrás

“Às vezes, o amor toma caminhos inesperados, fecham, constrangem, e impede de fazer novas conexões, traçar linhas de fuga, encontrar outras formas de amar, viver e de se recriar.” Lembrei do devir-nuvem… Teus textos me fazem tão bem <3 Incrível reflexão 😉

Rafael Lauro
Admin
6 anos atrás

Wow! Muito bom texto!!!
Quem sabe uma revista-curso-palestra-vídeo-performance um dia aconteça! haha ..

Claudia Ribeiro
Claudia Ribeiro
6 anos atrás

Rafael parabéns pelo seu texto, que publicação maravilhosa!
Sem contar que ficou instigada a ler Negri&Hardt.
Obrigado por compartilhar conosco suas inquietações/opiniões sobre um dos temas mais explorados e ao mesmo tempo difíceis de se expressar em palavras!

Ana Jara
Ana Jara
6 anos atrás

Simplesmente maravilhoso.Caminhou por vários autores sem se perder ou perder o início, meio e fim ! Fascinada…

Gerson
Gerson
5 anos atrás

Ao meu ver, uma bela definição de amor o pensado por Spinoza.
Excelente texto.

Havane Carvalho
Havane Carvalho
5 anos atrás

Excelente texto.

helena
4 anos atrás

que ótimo texto! Não obstante, também os outros que tive o prazer de ler hoje; quando acabo de conhecer o site. Percebi que usas muitas ilustrações, não tens interesse em fazer, talvez, novas parcerias? Meus traços não são parecidos com os que vi por aqui até agora, porém, faço ilustrações e me disponibilizo em colaboração.

Jéssica
Jéssica
4 anos atrás

Parabéns! Falas do tema sem torná-lo subjetivo ou científico demais. Raro equilíbrio.

Evandro
Evandro
1 ano atrás

Da a outra a face, com relação a Jesus tem outro significado, no mais o texto é muito bom