Skip to main content

Carrinho

Close Cart

Os estoicos dizem que todas as coisas estão conectadas, interligadas. Sendo assim, a natureza se move de maneira que podemos compreendê-la. Ora, isso torna a Lógica e Física parte de um mesmo sistema perfeito e compreensível.

Certo, mas dizer que tudo está ligado é uma afirmação bem ousada. Quais os fundamentos ontológicos desta afirmação? A simpatia universal é mais do que dizer que todas as coisas são a mesma coisa, ela possui um alcance metafísico.

Se há um nexo, um nó das causas, podemos chamar este nó de Deus. Sendo assim, dizem os estoicos, podemos conhecer a natureza como ela é, em sua manifestação direta: ela é um monismo divino.

Chamamos o cosmos de Deus, porque ele é o logos universal, a razão de tudo ser como é. Se tudo é um, isso quer dizer que é a mesma luz que se divide por tudo. Mas calma, definitivamente nada aqui é parecido com o Deus pessoal do cristianismo. 

O Deus dos estoicos não cria o mundo em sete dias, não expulsa ninguém do paraíso, não muda de ideia e tenta afogar toda a humanidade, não sente inveja de outros deuses ou felicidade com os sacrifícios da carne. Não, o deus dos estoicos é a própria natureza! Ou seja, muito tempo antes de Espinosa, os estoicos já traziam uma concepção panteísta de natureza.

E mais, nós podemos conhecer a mente de Deus, afinal, se ele é a própria natureza, então conhecê-la é ao mesmo tempo conhecê-lo. E mais ainda: obedecer à natureza é obedecer à Deus!

Este Deus que não opera milagres, mas é um só com o mundo, atua pelo princípio de geração: ele é o fogo artesão do universo, à maneira de Heráclito, podemos chamá-lo de fogo criador, se quisermos. Não porque ele cria o mundo, vai embora e volta para julgá-lo depois do fim dos tempos, mas porque ele cria o tempo todo, ele é a natureza criadora contínua.

Deus é o próprio universo funcionando como um ser vivo e racional, mente, espírito e razão, claro, mas também como um corpo. Deus é Hylezoísta, ou seja, ele é a vida e a matéria do universo se manifestando. Uma vida e uma matéria eternamente em movimento. Por isso dizemos que ele é o sopro divino, que anima tudo.

Deus é a razão, o logos, a ordem de todas as coisas na natureza, ele é o destino e a necessidade suprema. Mas, se é assim, então não há espaço para o livre arbítrio nem para o acaso? A resposta é ao mesmo tempo Sim e não…

Destino quer dizer, tudo é necessário, para tudo há uma razão, nada foge do fogo divino, apenas nós que somos limitados e não vemos. Há uma relação entre os acontecimentos presentes e os futuros, como sinais que os anunciam. 

Mas nós somos causas ativas e necessárias no mundo também. Ou seja, podemos nos mover ativamente dentro de Deus, mas sem nunca quebrar sua ordem divina. Afinal, Deus ordena o mundo, ele é a própria manifestação da ordenação do mundo, e por isso ele se confunde com a realidade. 

Se tudo está interligado, então percebemos como o homem está em uma relação intrínseca com o que o cerca. E é aí que a sabedoria humana começa. Ao conhecer a providência divina, toda parte pode se encontrar no todo. Nosso assentimento ao mundo é o consentimento aos planos divinos, é a consciência desta força em operação indefectível.

Para os estoicos o destino é apenas a manifestação racional e determinada da razão no mundo. Ou seja, não há um capricho divino, apenas a própria necessidade da existência. E cabe a nós dar o nosso assentimento. Pode parecer estranho, mas é exatamente isso: a liberdade estoica nasce da pressuposição de que tudo está determinado, e cabe a nós encontrar nosso lugar dentro do todo.

Para os estoicos, o destino, ou providência, não é uma superstição ou crendice, é a própria apreensão das conexões necessárias do mundo. E a sabedoria começa exatamente aí. O destino de Deus entrelaça cada acontecimento. Então, só o que podemos fazer é dizer Sim, aceitar. E aceitando, buscar entender a concatenação dos acontecimentos. Somente desta maneira encontraremos uma maneira de afirmar a nós mesmos e o mundo.

Mais sobre os Estoicos

Rafael Trindade

Autor Rafael Trindade

Quero fazer da vida o ofício de esculpir a mim mesmo, traçando um mapa de afetos possíveis.

Mais textos de Rafael Trindade
guest
5 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments
porn pics
2 anos atrás

Looks good!I like this!

David Cesar
David Cesar
2 anos atrás

Lindo, lindo, lindo!

Brenda Brambilla Güntzel
Brenda Brambilla Güntzel
1 ano atrás

Quero agradecer imensamente pelo conteúdo da página. Além de textos super fluídos e acessíveis para compreender filosofia, tem todo um cuidado com a densidade dos conteúdos e a particularidade de cada escola/filósofo. Estou estudando por aqui já fazem duas semanas! Estou encantada.

Maria Ivoneide
Maria Ivoneide
3 meses atrás

Gosto muito de seus escritos. Parabéns por seu trabalho e trato com as palavras.
Abraço.